quinta-feira, 10 de junho de 2021

DIA DOS NAMORADOS


O presidente Jair Bolsonaro condecorou com a Ordem do Mérito da Defesa a esposa, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, em uma cerimônia do 22º aniversário de criação do Ministério da Defesa, nesta quinta-feira (10/6). 

Viver é Perigoso

PESQUISA


 Viver é Perigoso

BEAU GESTE



Digam alguma coisa, China e Russia :

O governo dos Estados Unidos anunciou hoje a doação de 500 milhões de doses de vacina da Pfizer a 92 países de baixa e média renda.  Segundo a Casa Branca, as vacinas contra a covid-19 serão entregues a países como o Afeganistão, Angola e Fiji. Os países foram definidos pela iniciativa Gavi Covax, da OMS (Organização Mundial da Saúde).

As vacinas começarão a ser enviadas em agosto de 2021. A expectativa do governo dos Estados Unidos é de que, até o final do ano, 200 milhões de vacinas sejam entregues. Outros 300 milhões de doses devem ser enviadas no primeiro semestre de 2022.

O Brasil não aparece na lista.

Viver é Perigoso

PREZADO AMIGO AFONSINHO



Afonso Celso Garcia Reis, simplesmente, Afonsinho. Craque que mereceu de Gilberto Gil a música "Meio de Campo", cuja primeira frase diz:

"Prezado Amigo Afonsinho, eu continuo aqui mesmo"

Lembrança que vem a calhar neste momento de pandemia, torneios de futebol e participação nos debates dos atores principais. No caso, os craques de futebol.

Como Afonsinho, nunca tivemos mais. Algo próximo, com Sócrates e Rai.

Afonsinho é de 1947. Começou no futebol em 1962 no XV de Jaú. Em 65 foi para o Botafogo, no Rio de Janeiro, onde cansou-se de ser campeão. Jogava e dominava o meio-de-campo, com fina presença.

Em 1970, ficou oito meses "encostado" no Botafogo, com o contrato suspenso. A diretoria alvinegra decidira impedi-lo de treinar enquanto não retirasse a barba e os cabelos compridos que passara a usar.

Afonsinho resolveu, então, deixar o clube e pediu a liberação de seu "passe", mas os cartolas do Botafogo negaram, e o jogador recorreu ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Depois de muita luta conseguiu o passe livre no STJD.

Tornou-se o primeiro atleta do Brasil a ganhar o direito ao passe livre na justiça, em março de 1971. Esse direito só seria instituído exatamente 27 anos depois, pela Lei nº 9615, de março de 1998.

Também atuou pelo Vasco da Gama, Santos, Flamengo, América-MG, Madureira e Fluminense. Afonsinho encerrou sua carreira no futebol em 1981, aos 34 anos, no Fluminense.

O craque, enquanto jogava futebol, estudava medicina, participava do movimento estudantil, era politizado e combativo. Por sua atividade política dentro e fora do mundo do futebol, em pleno governo Médici, Afonsinho foi monitorado pelos órgãos de segurança do governo.

Formou-se em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da UERJ e trabalhou no Instituto Pinel durante cerca de trinta anos, até se aposentar. No Pinel, utilizou o esporte como complemento do tratamento psiquiátrico.

Viver é Perigoso

O CAMINHO É ESSE !


Os prefeitos das 4 maiores cidades do Sul de Minas se reuniram nesta quarta-feira (9) para discutir o atual momento da pandemia e a crise no transporte coletivo. 

Rafael Simões recebeu em Pouso Alegre os prefeitos Sérgio Azevedo (Poços de Caldas), Christian Gonçalves (Itajubá) e Verdi Lúcio Melo (Varginha).

Segundo nota divulgada pela prefeitura, após longa conversa, os prefeitos foram unânimes, “em razão da experiência adquirida nesses últimos 15 meses, que a suspensão seletiva de algumas atividades, em especial o comércio e serviços, não resolve a questão da contaminação pelo vírus, mas agrava a crise econômica ora vivida, gerando o fechamento de pequenas e microempresas, com o consequente aumento do desemprego”. 

Eles defenderam que o modo mais eficiente de se combater a pandemia é a vacinação e a adoção pela sociedade das medidas sanitárias, como o uso de máscaras, distanciamento social e higienização das mãos.

Outro tema abordado foi o impacto da pandemia no serviço de transporte coletivo, que é de responsabilidade dos municípios e se desenvolve por concessão. 

Com a redução considerável do número de usuários e o alto dos custos operacionais, as empresas que prestam serviços aos municípios polo pressionam pelo aumento substancial das tarifas, sob pena de paralização das atividades. Entretanto, os prefeitos também foram unânimes no sentido de que o usuário não seja onerado com o aumento das tarifas. 

O Prefeito Sergio Azevedo, de Poços de Caldas, já adotou, entre outras medidas, o sistema de subsidio para a empresa que faz o transporte coletivo urbano em sua cidade para manter o valor das passagens.

Os Prefeitos de Itajubá, Pouso Alegre e Varginha entenderam por bem convidar os empresários do transporte coletivo urbano para uma reunião e buscarem em conjunto uma solução que permita a continuidade dos serviços sem onerar os usuários.

PousoNet

Viver é Perigoso

CANTINHO DA SALA

 

Annelise Fuchs - Sublimes Delírios
Viver é Perigoso

ENQUANTO ISSO ...

 

Viver é Perigoso

VAMOS LÁ MOÇADA !

 


Em 1964, logo após a tal revolução, com a badalação desenfreada, alguém escreveu:

"Essa revolução tem tantos donos que a gente fica sem saber contra quem ela foi feita"

Pois bem, esta semana o prefeito atendeu a recomendação do governo estadual e fechou, meio na camufla, academias e salões de beleza.

O Presidente da Câmara, certamente com o apoio de força política local, Shadow Cabinet, para estar na moda, chiou barbaridade, chegando às raias do enfarte.

Deu Ibope. De Belo Horizonte, o Deputado Ulysses agiu rápido e em contato com o Secretário da Saúde, conseguiu oficializar a atenuação das medidas contra a pandemia. As academias e salões poderão abrir.

Correndo e suando em bicas (figurativo), o Deputado tucano de Ouro Fino, Dalmo, conseguiu protocolar na Secretaria da Saúde do Estado, um pedido igual. Seu esforço foi devidamente registrado pelo poder público local.

Lembrando dos tempos heroicos dos sepultamentos em Itajubá, quando não existiam funerárias. O enterro seguia a pé em direção do campo santo, com seis carregadores da família e amigos se revezando nas alças do caixão.

Tudo ia bem no trajeto plano. O carregador mal pegava na alça e outro já estava dando um toque no seu ombro pedindo a substituição.

Na altura do prédio da Câmara Municipal, começando a subida para o cemitério, a coisa ficava russa. Rareavam os carregadores. A substituição demorava e a saída era colocar um lenço enrolando a mão. A alça chegava a cortar. Sempre aparecia um fortão, alma boa, que seguia na traseira, suportando a carga com as duas mãos. Aliviava.

Em termos de pandemia e socorros políticos, podemos crer que ainda estamos em área plana. Queremos ver o pessoal comparecer é na hora (esperamos que não chegue) da subida. Vamos precisar de todos.

Viver é Perigoso