segunda-feira, 10 de maio de 2021

NOVA "VARIANT"


 Viver é Perigoso

O BEIJO



Uma nova atração na Disneyland - Califórnia colocou no fóco a protagonista do primeiro longa metragem de Disney, Branca de Neve e os Sete Anões (1937), filme que lhe valeu um Oscar honorífico em 1939.

A atração no Parque reaberto depois de 400 dias, passou a se chamar "O Desejo Encantado de Branca de Neve" e foi incluída a cena do beijo de amor do príncipe. 

O jornal digital San Francisco Chronicle despertou a polêmica. Pediu que fosse suprimida a cena do beijo, que não poderia ser verdadeiro uma vez que foi um ato não consentido, certo que a Branca de Neve se encontrava desmaiada.
 
Acreditem: segue a discussão sobre o caso pelo mundo afora.

Como diriam na Boa Vista, é claro: se fosse assim...

Viver é Perigoso


TRATOR É O NOSSO NEGÓCIO


Viver é Perigoso

NA PINDURA


Pensando bem, porque é que não são colocados à venda ? Algum grupo tentaria administrá-los como uma empresa. Provado que do jeito atual são inviáveis.

Sou tempo em que os itajubenses eram torcedores de times de futebol, exclusivamente, do Rio de Janeiro. Ou Flamengo, Vasco, Botafogo e Fluminense. O meu avô Jayme Riera era Bangu e o meu primo Carlos Riera, dizia-se América.

De São Paulo ? nem pensar. De Belo Horizonte, muito menos. Aliás, para o interior mineiro o futebol de Belo Horizonte só apareceu pós- Estádio do Mineirão. Nem em álbum de figurinhas apareciam. 

De cair de costas as dívidas dos clubes brasileiros. Impagáveis nas condições atuais. Ou, sugeriria um "espírito de porco" : porque não dividir pelos torcedores, que apaixonadamente a quitariam ? 

E o Cruzeiro, Botafogo e Vasco, encarando uma segundona braba ?  

Atlético Mineiro - R$ 1,2 bilhão

Cruzeiro - R$ 962,5 milhões

Corinthians - R$ 949,2 milhões

Botafogo - R$ 946,2 milhões

Internacional - R$ 882,9 milhões

Vasco - R$ 830,6 milhões

Flamengo - R$ 680,6 milhões

Fluminense - R$ 649,1 milhões

São Paulo - R$ 575,1 milhões

Palmeiras - R$ 565,2 milhões 

Viver é Perigoso

ESTAMOS ABERTOS


Após um longo e tenebroso inverno, na última sexta-feira caímos na estrada. Sempre gostei de estar dentro de um carro, com o tanque cheio e uns trocos na carteira. Quase sempre atuando na parte comercial, passei parte da vida nas rodovias. 

Sempre tive as estradas como referência do momento econômico. Lotadas de caminhões e carros ? Mercado em movimento e crise distante.

Impressionante o movimento de veículos acontecendo. Fila ininterrupta, nos dois sentidos, de Itajubá até a Fernão Dias. Do Fernandão até a D.Pedro, caminhões à granel. Região de Campinas e Sorocaba, um movimento só.

A retração da economia mostrada nos índices oficiais não bate com o mostrado. O atacado respira. Caminhões tanques de combustível a dar com pau.

Interessante: número diminuto de ônibus de transporte de passageiros.

Ideia de que o País reabriu.  

Viver é Perigoso    

A COBRA VAI FUMAR


Sempre tive admiração e respeito pelos brasileiros que participaram da 2ª Guerra Mundial. Conheci e conversei com muitos deles. Conversas interessantes com o meu Tio Cap Chaves e algumas poucas com o Sr. Guilherme Cardoso. Sentia que eles não gostavam muito de falar sobre a participação da FEB em terras italianas. Meu Pai, José Riera, apresentou-se como voluntário. Foi enviado para servir na Guarda-Costeira no nordeste brasileiro. Era e tinha direitos de "Pracinha".

Há séculos temos um admirado vizinho na Boa Vista, ex-pracinha que esteve na Itália, Sr. Zé Dias. Nos cumprimentamos sempre e conversamos por vezes.

Li muito a participação brasileira na 2ª Guerra Mundial. Um dos melhores livros sobre o período é o "Senta Pua", do piloto Rui Moreira Lima. Um clássico da aviação militar brasileira. Moreira Lima foi piloto do Iº Grupo de Caça que combateu na Itália conduzindo um P-47 Thunderbild, sob o lema "Senta a Pua".

Também comprei, tenho-o e li, o livro publicado em 1985 pelo William Waack, com o título "As duas Faces da Glória". O jornalista, quando correspondente no exterior, pesquisou e entrevistou nos EUA e na Europa e escreveu sobre o desempenho da Infantaria Expedicionária Brasileira, que foi uma das 20 divisões aliadas na frente italiana, integrada ao IV Corpo do V Exército Americano.

O livro mostra, com todo jeito possível, comentários/documentos, não totalmente elogiosos a nossa participação na frente italiana. 

Há uns tempos fiz um escrito sobre o tema. Resolvi não publicar. Bom saber, mas só atrapalhará.

O assunto voltou, face a declaração do Gen Braga Netto publicada do último dia 8, em comemoração aos 76 anos do fim da 2ª Guerra Mundial citando: "a cobra fumou e se necessário fumará novamente".

Não tenho dúvidas. 

Viver é Perigoso