terça-feira, 18 de maio de 2021

O HOMEM QUE FALAVA LATIM


Lá pelo final dos anos 50 apareceu na Boa Vista uma figura impar. Fazia frio ou sol, Julius,  como era conhecido, usava um batido terno preto. Morava sozinho numa casinha alugada no Beco Saci. Ninguém sabia e ninguém ousava a perguntar o que fazia na vida. Tinha feições bonitas e cabelos firmemente fixados por Glostora. 

Subia todas as manhãs (para o pessoal da Boa Vista, subir era ir para o Centro), passava de volta antes do almoço, subia novamente no início da tarde e só voltava no cair da noite. Onde ia com tanta assiduidade era um mistério.

Gentil e utilizador de pouquíssimas palavras. E o estranho, só em latim ou algo próximo.

- Tudo bem Seu Julius ?

- via crucis (vida dolorosa)

- As coisas estão complicadas ?

- vivitur parvo bone (vive-se bem com pouco)

- O povo anda reclamando muito

- vox populi, vox dei (voz do povo, vox de Deus)

- A vida está difícil

- Vis mea in labore (minha força está no trabalho)

- O senhor está morando bem no Beco Saci ?

- parva domus sed magna quies.(a casa é pequena mas o sossego é grande)

- Faça chuva ou sol o senhor vai para o trabalho diariamente.

- oculus domini saginat equum.( o olho do dono engorda o cavalo)

- O senhor fala bonito sr. Julius.

- verba movent, exempla trahunt (as palavras movem, os exemplos arrastam)

- O senhor é que sabe levar a vida.

- sol lucet omnibus (o sol brilha para todos)

- O senhor não tem namorada ?

- varium et mutabile semper femina (a mulher é algo mutável e inconstante)

- Quando aconteceu uma briga numa ruela próxima. O senhor viu a confusão ? 

- quid pro quo. sic transit gloria mundi. (assim transita a glória do mundo)

Um dia ele juntou as suas poucas coisas e com um ar de tristeza, foi embora sem dizer para onde, não sem antes dizer para uma esperta e curiosa vizinha:

- homo totiens moritur, quotiens amittit suos (o homem morre tantas vezes quantas vezes perde os seus ).

Informações recentes dão conta que o rapaz, nas vésperas de se ordenar padre, se apaixonou por uma senhora comprometida, lá pelas bandas de Borda da Mata. Desiludido, largou de tudo. Na cidade dava aulas particulares. De latim, é claro.  

É a vida... ou seguindo o tema, (sic vita est)

Viver é Perigoso. ou melhor, (vitae pericula est) 

TOMOU O BARCO


Rildo, o Rildo Costa Menezes, lateral-esquerdo recifense do Botafogo e do Santos durante os anos 60 e 70, tomou o barco ontem (17) em Los Angeles, no Estados Unidos, cidade onde vivia desde 1977.

Nascido em Recife em 1942, começou a carreira aos 15 anos, nas categorias de base do Sport Recife. Envergou a camisa do Botafogo de 1961 a 1966, quando foi negociado com o Santos, onde jogou até 1971

Ao deixar a Vila, passou pelo CEUB de Brasília e pelo ABC de Natal (RN). Em 1977 e 78, levado por Pelé, defendeu o New York Cosmos e foi bicampeão americano ao lado do Rei, de Beckenbauer, Carlos Alberto Torres e etc. Defendeu ainda o Califórnia Sunshine e em 1979 foi contratado pelo Los Angeles Aztec, onde encerrou a carreira em 1981 ao lado do lendário e saudoso irlandês George Best, passando a morar na costa oeste dos EUA.

Rildo foi titular da Seleção Brasileira de João Saldanha nas Eliminatórias para a Copa de 70 e integrante da equipe canarinho no fiasco de 1966, na Inglaterra.

Bom jogador.

Viver é Perigoso

PICADA

 

Viver é Perigoso

MENSAGEM QUE RECEBI



Caro amigo Edson, Poderia mandar um recado ao Presidente... " Idiota é o compadre do padrinho dele "

Um abraço,

Roberto Lamoglia

Viver é Perigoso