terça-feira, 4 de maio de 2021

CARGO EXCLUSIVO DE MOTORISTA EM EXTINÇÃO


Diariamente dá no Diário Oficial

Art. 1º - Fica autorizado o servidor abaixo, a conduzir os veículos pertencentes à Secretaria...

Art. 2º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Itajubá, sempre de 2021,

Secretário Municipal de Administração

Viver é Perigoso

MINISTRO SUJEITO A CHUVAS E TROVOADAS


27/4/2021 - "O chinês inventou o vírus, e a vacina dele é menos efetiva do que a americana. 

4/5/2021 - “O vírus veio da China por ser comum naquela região, como existem as doenças tropicais. Eu tomei a vacina chinesa. Sou grato aos chineses.

7/4/2021 - A reforma tributária proposta por Paulo Guedes quer trocar PIS e Cofins por uma Contribuição sobre Bens e Serviços. Com a mudança, o governo busca eliminar também as isenções que valiam para os impostos antigos, incluindo a dos livros. Se a reforma for aprovada, a alíquota que índice sobre o livro vai de zero a 12%, o que ameaça inviabilizar pequenas editoras e manter o mercado nas mãos das poucas que conseguirem repassar o aumento de custo para o preço de capa. Documento da Receita Federal afirmou que pessoas mais pobres não consomem livros não didáticos. 

4/5/2021 - “Eu jamais tive um projeto de taxar livros”, afirmou Guedes, em debate com deputados nesta terça. “São aquelas coisas que saem do controle. Inventam uma mentira e ficam repetindo até funcionar”. Guedes atribuiu as informações sobre a proposta a uma assessora, Vanessa Canado, que auxiliou o ministro na elaboração do projeto do novo tributo.

Viver é Perigoso

ALWAYS ON MY MIND


" Always on My Mind ", foi composta em 1971 por Wayne Carson, Johnny Christopher e Mark James. Um sucesso. Gravada em 1972 por Brenda Lee e também por Elvis Presley e em 1987, pelo Willie Nelson.
Em 1970 já tinha sido gravada, sem impacto, por B.J Thomas. 
Retornou ao topo sendo gravada mais adiante pelo Pet Shop Boys.

Talvez eu não tenha lhe tratado
Tão bem quanto deveria
Talvez eu não tenha te amado
Tanto quanto eu poderia

Pequenas coisas que eu deveria ter dito e feito
Eu simplesmente nunca encontrei tempo
Você esteve sempre na minha mente
Você esteve sempre na minha mente

Talvez eu não tenha te abraçado
Em todos aqueles solitários, solitários momentos
E eu acho que nunca te disse
"Sou tão feliz por você ser minha! "

Se eu te fiz sentir-se em segundo lugar
Garota, eu sinto muito, eu estava cego
Você esteve sempre na minha mente
Você esteve sempre na minha mente

Diga-me
Diga-me que seu doce amor não morreu
Dê-me
Dê-me mais uma chance para deixá-la satisfeita
Satisfeita

Pequenas coisas que eu deveria ter dito e feito
Eu simplesmente nunca encontrei tempo
Você esteve sempre na minha mente
Você esteve sempre na minha mente

Você esteve sempre na minha mente
Você esteve sempre na minha mente

Viver é Perigoso

A CAMINHO DO IMPEACHMENT

Brasília, 28 de março de 2020

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

No dia 03 de janeiro de 2020, este Ministério, por intermédio de sua Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS), detectou rumores a respeito de casos de “pneumonia atípica”, oriunda da China, que estaria infectando diversas pessoas e produzindo significativo número de óbitos. Assim, com base no Regulamento Sanitário Internacional (RSI), antecipou-se a revisão de protocolos relativos ao Preparo, Vigilância e Resposta à Influenza no Brasil.

No dia 22 de janeiro de 2020, em observância a sua missão institucional de implementar medidas de saúde pública para a proteção da saúde da população, para a prevenção e controle de riscos, agravos e doenças, o Ministério da Saúde ativou o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública para o novo Coronavírus (COE-nCoV). 

Em 30 de janeiro de 2020, após reunião com especialistas, a OMS declarou Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII) em razão da disseminação do Covid-19.  No Brasil, nove casos estavam sendo investigados.

Em 3 de fevereiro de 2020, o Ministério da Saúde declarou Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) em decorrência da infecção humana pelo Covid-19, por meio da Portaria MS n° 188, e conforme Decreto n° 7.616, de 17 de novembro de 2011.

Em 06 de fevereiro foi aprovada a Lei n° 13.979, de 2020, que dispõe sobre as medidas de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Todas as normas foram editadas antecipadamente ao primeiro caso confirmado do Covid-19 no Brasil (26/02/2020) e em consonância com o disposto sobre preparo para emergências no âmbito do Regulamento Sanitário Internacional.

Para garantir a transparência na comunicação sobre as ações de vigilância e controle do Covid-19 e no sentido de esclarecer à população sob medidas de orientação e prevenção, o Ministério da Saúde realizou um total de 49 coletivas de imprensa nos últimos 65 dias (a primeira em 23 de janeiro), 109 releases, 1.550 atendimentos a demandas de imprensa, 50 vídeos produzidos e publicados pela TV Saúde, 8 vídeos-cartões para uso nas redes sociais, 21 matérias de rádio produzidas pela Web Rádio Saúde, dentre outros, o que fortaleceu a confiança da população brasileira nas medidas que vem sendo tomadas pelo Ministério da Saúde, além dos dados e projeções epidemiológicas realizadas por especialistas, bem como do estudo diário sobre a resposta de outros países à pandemia.

No Brasil, em 26 de março o total de casos confirmados no Brasil era de 3.498. 

Cabe dizer ainda que o Ministério da Saúde participou de sessões informativas da OMS, de reuniões virtuais coordenadas pela Organização Panamericana da Saúde (OPAS), além de encontros virtuais com representantes de saúde do MERCOSUL, PROSUL e G20, onde pôde verificar o prognóstico do colapso dos sistemas de saúde nos próximos meses. O que denota a necessidade de que o Brasil tome medidas que evitem o aumento exacerbado do número de casos com necessidades de atenção e cuidado de média e alta complexidade nas redes de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). Situação já observada nos sistemas de países como Itália, Espanha, Reino Unido, Estados Unidos, dentre outros, apesar das diferenças dos respectivos setores de saúde.

​​Diante desse cenário, eu, como Ministro da Saúde e na minha missão como gestor do Sistema Único de Saúde busquei promover a integração entre os Poderes da República para o fortalecimento da resposta à epidemia nacional. No dia 16 de março, em reunião com com os membros do Tribunal de Contas da União apresentei a todos os Ministros da Corte de Contas e ao Ministro da Controladoria Geral da União o cenário nacional da emergência em saúde, ressaltando a necessidade do estabelecimento de novos paradigmas para funcionamento da Administração Pública.

Ato contínuo, naquele mesmo dia, em reunião no Supremo Tribunal Federal, com a presença dos membros da Suprema Corte, dos Presidentes dos Tribunais Superiores, do Presidente da Câmara dos Deputados, do Presidente do Senado Federal, do Presidente do Tribunal de Contas da União, do Procurador-Geral da República, do Ministro da Advocacia-Geral da União, apresentei o cenário técnico do setor saúde (riscos e agravos sobre a infecção pelo Covid-19), além de medidas de saúde pública necessárias à prevenção e controle da resposta à epidemia, para as quais se faz premente o esforço conjunto dos órgãos superiores da República.

Cabe ressaltar que no mesmo dia 16 de março, sem a participação desta Pasta, foi editado o Decreto n. 10.277, de 2020, que instituiu o Comitê de Crise para supervisão e monitoramento dos impactos da Covid-19, e mais ações de outros setores foram integradas às medidas sanitárias que vinham sendo tomadas pelo Ministério da Saúde desde fevereiro.

Assim, em que pese todo esforço empreendido por esta Pasta para proteção da saúde da população e, via de consequência, preservação de vidas no contexto da resposta à epidemia da Covid-19, as orientações e recomendações não receberam apoio deste Governo Federal, embora tenham sido embasadas por especialistas e autoridades em saúde, nacionais e internacionais, quais sejam, o isolamento social e a necessidade de reconhecimento da transmissão comunitária.

Acrescente-se ainda o alerta já feito por esta Pasta a respeito de outras viroses que terão seu ciclo epidêmico agravado em concomitância coma epidemias do Covid-19. Além do aumento da mortalidade por doenças diversas, como vem ocorrendo em outros países, devido à sobrecarga dos sistemas de saúde.

Imperioso, sobretudo, zelar pelos médicos, enfermeiros e todos os profissionais de saúde, por serem a principal linha de frente do trabalho em saúde no país, constituindo o grupo de maior risco, uma vez que são os mais expostos.

Nesse sentido, tendo em conta que a atuação do Ministério da Saúde no preparo, vigilância e resposta a pandemia pelo Covid-19, em consonância com o Regulamento Sanitário Internacional (Decreto n. 10.212, de 30 de janeiro de 2020), fundamenta-se nos fatos apurados, nas evidências científicas e na observância dos princípios e regras que alicerçam os direitos e garantias fundamentais de todo cidadão brasileiro, recomendamos, expressamente, que a Presidência da República reveja o posicionamento adotado, acompanhando as recomendações do Ministério da Saúde, uma vez que a adoção de medidas em sentido contrário poderá gerar colapso do sistema de saúde e gravíssimas consequências à saúde da população.

Brasília, 28 de março de 2020.

LUIZ HENRIQUE MANDETTA - Ministro de Estado da Saúde

Viver é Perigoso

MUITO EM COMUM



" A TV Globo e Folha de S.Paulo não foram escolhidos à toa. A primeira lidera com folga a audiência da tevê aberta do Brasil. É de longe a forma mais eficaz de fazer mensagens chegarem às classes de menor renda em todas as regiões do país. A segunda é proprietária do portal UOL, o maior da internet brasileira. Conseguir manchetes na primeira tela, aquela que primeiro aparece quando se acessa o endereço, é meio caminho andado para ter informação circulando pelas redes sociais.
Curiosamente, a política de relacionamento do Palácio do Planalto declarou essas duas exatamente essas duas empresas como inimigas juramentadas.
Nisso, o bolsonarismo se iguala simetricamente ao petismo, que na época em que governava também detestava ambas. "

ZéBeto - Livro "Guerra à Saúde " - Ugo Braga

Viver é Perigoso

OS CLÁSSICOS ESTÃO MORRENDO ?


Questionada a decisão da Universidade Howard, talvez a mais importante instituição de ensino negra do país, de fechar seu departamento de estudos clássicos.

Howard, é uma instituição privada de ensino superior dos Estados Unidos localizada em Washington e historicamente destinada para a educação dos negros daquele país. Foi fundada em 2 de março de 1867.

Os clássicos estão morrendo? Diretores de Howard responderam, no New York Times:

"Ao contrário de universidades brancas de elite, a instituição não tem dinheiro para tudo e teve de estabelecer prioridades. Afirmam que os alunos de Howard não ficarão sem ler Platão, Aristóteles e outros clássicos, apenas que não haverá mais um departamento exclusivo dedicado a esses pensadores."

Hélio Schwartsman


Viver é Perigoso

MILAGRE DA CPI


 Viver é Perigoso