terça-feira, 8 de junho de 2021

MOMENTOS MÁGICOS


Viver é Perigoso

VENCEU O ATUAL EXECUTIVO


Viver é Perigoso

CANTINHO DA SALA

Diego Rivera - Café Terrace (1915) - Metropolitan Museum of Art, New York.

 Viver é Perigoso

CLARIN DA BOA VISTA - ARTE


O artista italiano Salvatore Garau vendeu uma "escultura invisível" em um leilão online por 15 mil euros (cerca de R$ 92,1 mil). 

A "obra" Io Sono, vendida pelo Art-Rite de Milão, só existe na cabeça do artista e o comprador apenas levou um certificado de aquisição e a indicação de que a "peça" deve ficar em um espaço de 1,5m x 1,5m.

Após a repercussão polêmica tanto no mundo da arte como no dos leilões, Garau defendeu que se sente "como David contra Golias" ao fazer a arte do "vazio".

"Eu queria entender porque o mundo da arte, e não apenas, ficou escandalizado pela venda em leilão de uma das minhas esculturas invisíveis e porque a operação teve tantas discussões. Sinceramente, acho uma cifra irrisória. Talvez 15 mil euros pelo vazio tem um peso superior a diversos milhões de euros por um cheio", disse ao portal italiano "Arte Magazine".

Garau tem a meta de "criar" sete obras invisíveis e "inaugurou" a terceira delas em Nova York. O artista quer levar sua arte par mais cidades do mundo.

Blog: Sei não...

Viver é Perigoso

LUZ NO FINAL DO TUNEL


A Food and Drug Administration (FDA) – agência reguladora dos EUA equivalente à Anvisa - aprovou ontem (7) o uso do medicamento experimental aducanumab para as fases iniciais da doença de Alzheimer -  apesar de um comitê consultivo ter concluído no ano passado que não há evidências suficientes para apoiar a eficácia do tratamento.

A droga foi desenvolvida para pacientes com deficiência cognitiva leve, não com demência grave, e tem o objetivo de retardar a progressão da doença de Alzheimer – não apenas aliviar os sintomas.

A farmacêutica Biogen e seu parceiro japonês Eisai desenvolveram o aducanumab, administrado por meio de infusão intravenosa para tratar a doença de Alzheimer precoce. A droga foi desenvolvida para pacientes com comprometimento cognitivo leve, não para demência grave.

Em maio, o Instituto de Revisão Clínica e Econômica divulgou um relatório preliminar estimando que o medicamento deveria custar entre US$ 2.560 (R$ 12,86 mil) e US$ 8.290 (R$ 41,6 mil) por ano.

Registrado que a droga é destinada às primeiras fases sintomáticas.

Viver é Perigoso

CORRIGINDO

 

Viver é Perigoso