sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

HEIL !


Interessante observar sobre os antecedentes dos auxiliares, pouco conhecidos do público, escolhidos pelo atual governo.

Roberto Rego Pinheiro, cujo nome artístico é Roberto Alvim, dramaturgo, ex - diretor da Funarte e hoje, também ex- Secretário da Cultura do governo Bolsonaro. Está com 47 anos de idade.

Criador e diretor de 16 peças, levadas aos palcos cariocas, paulistas, franceses, suíços e argentinos.

Aos 22 anos, após concluir sua formação na Casa de Artes de Laranjeiras, deixou tudo de lado e refugiou-se numa cabana no interior piauiense, por 21 dias, comendo e bebendo apenas o suficiente para sobreviver, entrando num processo de busca interior através de práticas meditativas.
Depois de 1,5 anos resolveu voltar a sua carreira profissional. De 2000 a 2004 foi professor de história do teatro e da literatura dramática. Em seguida, tornou-se diretor artístico do Teatro Ziembinski no Rio de Janeiro.

Em 2006 Alvim transferiu-se para São Paulo, unindo-se a atriz Juliana Galdino (sua mulher). Profissionalmente, instituíram a companhia Club Noir (Rua Augusta). No interior deste grupo, que visa revelar novos dramaturgos brasileiros, por meio de encenações que mergulham fundo em um estilo conhecido como estética da penumbra, Roberto vem utilizando o palco como um meio de representar a escuridão caótica, que é estruturada através do poder da palavra.

Beirou a unanimidade nos anos de 2010 com espetáculos marcantes, como Tríptico Samuel Beckett e Leite Derramado  (baseada no romance homônimo de Chico Buarque, de quem era amigo pessoal), que sempre vinham seguidos de enormes elogios de artistas e formadores de opinião.

Entre 2009 e 2015, coordenou o Núcleo de Dramaturgia do Sesi em Curitiba.

Segundo o próprio Alvim, tudo isso acabou depois que ele declarou apoio ao candidato à presidência Jair Bolsonaro e por conta da sua admiração declarada ao professor Olavo de Carvalho.

Alvim explica que era de esquerda, ainda que não convicto, até ficar à beira da morte, há dois anos. Desde então, sua vida mudou completamente.

" Tive um problema de saúde muito sério, descobri um tumor no intestino. Até fazer a biópsia, eu me considerava condenado à morte. Esse tumor na verdade era benigno, mas estava causando uma série de problemas, e eu estava muito mal. Até que um dia, chegando em casa depois de uma noite no hospital, a babá do meu filho, que era evangélica, pediu para fazer uma oração. Falei para ela sair do meu quarto. Como todo intelectual, eu era ateu convicto. Mas a minha mulher falou, ‘deixa ela fazer a oração, mal não fará’. E ela colocou a mão na minha cabeça e começou a orar. E eu senti uma energia, uma luz. Eu levantei da cama, no dia seguinte fui para o hospital, o tumor tinha praticamente desaparecido. Foi um milagre. Foi então que eu vi que existiam coisas que eu não conhecia. Comecei a frequentar a igreja católica diariamente, indo a duas missas por dia. Me tornei cristão convicto, na minha vida hoje há a misericórdia de Nosso Senhor Jesus Cristo, diretamente. Comecei a fazer cursos de teologia com o padre Paulo Ricardo. E mergulhei de cabeça nos escritos do professor Olavo de Carvalho”.

É a vida...

Viver é Perigoso

2 comentários:

Anônimo disse...

Pois é. Todos nós podemos mudar. É da natureza humana e salutar. Mas deixar a esquerda para se tornar fã de Goebbels convenhamos......

Anônimo disse...

Na minha época, ele iria precisar de uma camisa de força. Hoje, ocupa cargos no governo.