segunda-feira, 30 de março de 2020

NO VALE DA ELETRÔNICA


O Hospital Maria Thereza Rennó, em Santa Rita do Sapucaí, levou 14 anos pra ser construído. Foi inaugurado em 2013 e ficou apenas 8 meses em funcionamento. Acaba de completar 6 anos de portas fechadas. Trata-se de um empreendimento particular.

O hospital foi um projeto idealizado pelo fazendeiro Wagner Rennó. Ele decidiu construir o empreendimento depois que a mãe morreu em casa, sem conseguir atendimento médico. Tem capacidade para 125 leitos. O prédio, que tem quase oito mil m² de área construída e conta com 125 leitos, entre UTI, urgência, emergência e observação.

Era feito o atendimento através de planos de saúde particulares e do Ipsemg, plano médico dos servidores do estado. A unidade também estava em processo de credenciamento para atender pacientes pelo SUS. No entanto, com as dívidas, funcionários e médicos foram dispensados.

Desde então, os representantes buscam financiadores ou parceiros para que o hospital volte a funcionar. O Hospital pode ser alternativa para atendimentos da covid-19 no Sul de Minas. O governo federal foi procurado, mas não teria demonstrado interesse na reabertura. Prefeitos buscam outras alternativas para reabrir as instalações. 

Na última última terça-feira (24), foi realizada uma reunião por videoconferência para discutir o assunto com um membro da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde. Além do prefeito Wander Chaves, participaram da reunião o prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões, e o deputado federal, Bilac Pinto.

Enquanto o Maria Thereza Rennó continua fechado, o prefeito Wander Chaves busca equipar o hospital Antônio Moreira da Costa com uma nova ala para atender as possíveis vítimas do novo coronavírus na cidade.

Dados: Terra do Mandu

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: