domingo, 8 de outubro de 2017

HAY QUE ENDURECERSE SIEMPRE

Felix Rodriguez
50 anos da execução de Ernesto Che Guevara. 

Aconteceu numa segunda-feira, no início da tarde, em La Hilguera, interior da Bolívia, próximo de onde tinha sido capturado na noite do dia anterior. Interessante a entrevista feita e publicada no jornal espanhol El País, com o cubano e ex-agente da CIA, Felix Rodriguez, testemunha ocular do acontecido e hoje residente em Miami.

Felix Rodriguez, está à direita de Che Guevara, na última foto tirada do guerrilheiro, com a máquina fotográfica do agente, acionada pelo piloto de helicóptero, Nino Gusman.

Rodriguez estava na cidade de Vallegrande, no domingo à noite, quando foi avisado da captura do Comandante, após tiroteio com forças do exército boliviano, num local chamado de "Quebrada del Yuro". No confronto, morreram guerrilheiros e soldados. Che, foi capturado com um ferimento, não muito grave, na perna esquerda. Pediu para o soldado que o alcançou primeiro, que não o matasse, pois valia mais vivo do que morto.

Na segunda-feira cedo, Rodriguez chegou ao local e viu Guevara em condições de miséria. Com roupas esfarrapadas, magro e pedaços de couro amarrados nos pés, como sapatos.

O prisioneiro foi interrogado pelo Coronel boliviano, Centeno Anaya e nada respondeu. O agente da CIA pediu autorização para levá-lo para interrogatório no Panamá. Foi negado e dado ordem pelo governo boliviano de executar o argentino/cubano.

Guevara foi avisado da decisão e não se abalou dizendo: melhor assim. Pediu que dessem o seu cachimbo para o soldado que o capturou, pois ele tinha se comportado bem.

O agente da CIA lhe perguntou sobre a economia cubana e Che lhe respondeu que ela foi afetada pelo embargo americano. Questionado sobre como, mesmo não sendo economista, tinha sido presidente do Banco Nacional de Cuba, teria dito: 
- Um dia entendi que Fidel estava pedindo um comunista dedicado e levantei a mão. Porém ele estava pedindo em economista dedicado.

Viver é Perigoso  

6 comentários:

Anônimo disse...

Precisamos colocar alguém que dê um basta nos esquerdinhas, nos agiotas, nos que fazem arte(?) misturando erotismo e crianças, nos que ostentam a bandeira do país só em época de copa do mundo (fora isso, acham que é piegas usar a bandeira do país), nos corruptos, nos que traem o povo, nos que burlam o FIES, nos que sonegam imposto, nos que não respeitam a polícia (nos EEUU a polícia é o orgulho do cidadão), nos que não respeitam a família (a sua e a dos outros), nos traficantes, nos que destroem o patrimônio público, nos baderneiros, nos arruaceiros, nos que querem entrar em nossa casa e nos enfiar goela abaixo essa tal de ideologia de gênero, nos que querem levar vantagem em tudo (a famosa Lei de Gérson), nos que estacionam em local proibido ("é só um minutinho, seu guarda!"), etc.

Tá na hora de usar o paredão ou, pelo menos, descer o porrete neste pessoal. Melhor já ir se acostumando, mesmo!

Edson Riera disse...

Paredão,

Talvez uma mistura de Churchil, Kennedy, Margareth Tatcher, Golda Meir, Ghandi, Lincoln, Rui Barbosa, Martin Luther King e De Gaulle.

Ou uma mistura de: Luciano Huck, Dória, Bolsonaro, Lula, Alkimim, ACM Neto, Gilmar Mendes, Pezão e Haddad.

Zelador

Anônimo disse...

Não precisa misturar não Zé! É isso mesmo alguém q meta o cacete nestes vagabundos!

Anônimo disse...

Se colocar em prática a tolerância zero (tanto contra aquele que rouba um milhão como contra aquele que rouba um tostão), já ajudará bastante!

Edson Riera disse...

Paredão,

Não penso assim. Basta que existam leis e elas sejam cumpridas. Temos que lutar por isso, Qualquer coisa fora disso é voltar para Antes de Cristo.

Zelador

Edson Riera disse...

Tolerância Zero,

Tens razão. Acabo pensando num assunto: O advogados criminalistas nunca ganharam tanto dinheiro como agora. Recebem milhões para defender esse pessoal acusado de corrupção. Se o cara não tinha grandes recursos, ficou bilionário amealhando recursos escusos e denunciado e responde processos pagando altas somas aos seus defensores, com dinheiro de qual origem ?
Ou ele usaria para pagar só o depositado na poupança originário de salários ?
É a vida...

Zelador