quarta-feira, 1 de julho de 2020

SÉRIE - CINEMA NA TERRINHA


A verdade é que nos tempos áureos poucos falavam inglês na terrinha. Mesmo no Colégio de Itajubá, depois do português, vinha o latim. Puxado e dava bomba. Declinações na ponta da língua, claro que o colégio era dos padres. Em seguida vinha o francês, com o Dr. Olavo e a Dona Geny de mestres. A turma do científico ainda se debatia também com o espanhol.

Inglês relegado. E mais, longe de existir na cidade os cursos particulares.

Claro que todos sabiam o inglês do cinema e das músicas. A cuca fundia era com o choque entre os cartazes de cinema e o título do filme na língua pátria.

Como explicar o espetacular "Shane" - Alan Ladd como sendo "Os brutos também amam ". E o "The sound of música", como a Noviça Rebelde ? E o filmaço "Giant" - Rock Hudson, Elizabeth Taylor e James Dean,  como Assim caminha a humanidade ?

Nó na cabeça assistindo a meiga Audrey Hepburn no "Breakfast at Tiffanys´, que virou Bonequinha de Luxo ?

Quem não assistiu o Gary Cooper em 'Matar ou Morrer ", que no original era High Noon ?

E a fila no Cine Paratodos para assistir o Elvis no filme "King Creole", que virou Balada Sangrenta ?

Ficou famosa a reclamação do conhecido (na época) Sr. Aristides - Tidinho, viciado em cinema, junto ao gerente do Cine Paratodos, afirmando que as legendas estavam sumindo rápido demais e não dava tempo para ler. Argumentou ele cheio de razão: Me sinto prejudicado, uma vez que ou vejo as feições ou leio. Não dá para fazer os dois juntos.

Viver é Perigoso    

Nenhum comentário: