quinta-feira, 6 de maio de 2021

HORA DO PATO


Quem serviu ao exército sabe muito bem o que era isso. "Hora do Pato".

Terrível ver o seu nome na lista fixada no quadro de avisos da Companhia. Significava a obrigação de comparecer ao escritório do Capitão Comandante, para se explicar.

Coturno mal engraxado, cartão de cabelo vencido, barba mal feita, e assim vai... Hora do Pato.

Aquela tentativa de se justificar, seguida de uma esculhambação geral. E tudo isso, segundo o Capitão, na frente da mãe. Esclarecendo, no caso a "mãe" era a Bandeira Nacional.

Não tinha escapada. O sujeito (soldado) saía da "hora do pato" com punição. A mais leve era a obrigação de pernoite (apresentar-se às 21:00 para dormir no quartel". Um pouco mais grave era a detenção. Sair na rua, nem pensar. Por último e mais raro: cadeia.

Pelo visto, em se tratando do General, teremos uma prolongada e movimentada "Hora do Pato" na CPI do Senado Federal.

Viver é Perigoso


Um comentário:

Anônimo disse...

2 vertentes de investigações cloroquina e opção bolsonarista no começo para deixar acontecer a tal imunidade de rebanho proposital deixar a doença acontecer sem controle até atingir a tal imunidade com certeza nessa opção mais de 1 milhão de mortos
estariam contados fora as variantes aliás o nome rebanho vem bem a calhar para
quem defendeu a ideia