sábado, 12 de dezembro de 2020

PRÁ NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE FLORES


Acompanhamos desde o início de 2020 um verdadeiro tsunami de notícias catastróficas sobre a pandemia que assola o planeta. 

Hoje, um artigo assinado pelo biólogo Fernando Reinach, no Estadão, indicou que temos saída e, usando um termo na moda, "com evidência científica".

Está escrito sobre os resultados da fase 3 da vacina da Pfizer/BioNTech:

" Este é o trabalho científico mais importante de 2020. A Pfizer/BioNTech publicou os resultados completos dos estudos de Fase 3 de sua vacina. O trabalho relata um ensaio clínico cuidadoso com resultados inquestionáveis. A eficácia de 95% e a segurança da vacina foram comprovados.

Os ensaios da Fase 3 da Pfizer/BioNTech foram executados entre os dias 27 de julho e 14 de novembro de 2020, em 152 centros de pesquisa localizados nos EUA, Argentina, Brasil (2), África do Sul, Alemanha e Turquia.

No Brasil um dos centros fica na Escola Paulista de Medicina e é coordenado por Cristiano Zerbini. O outro fica na Associação Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador, coordenado pelo Dr. Edson Moreira.

Participaram 43.448 voluntários, sendo que 21.720 receberam vacina e 21.728 receberam placebo (solução de água e sal). Dos que receberam injeções, 37.706 foram seguidos por 2 meeses, uma exigência dos órgãos regulatórios que aprovam vacinas.

Por estas bandas, deverá ser anunciado o resultado da Coronavac, desenvolvido pela Sinovac e cujo ensaio da Fase 3 está a cargo do Butantan.

Entendemos, embora não todos, como a ciência é importante.

(Artigo completo no jornal O Estado de São Paulo - 12/12/2020 - A22

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

Ninguém segura o desenvolvimento tecnológico, os investimentos pesados dos governos americano e europeus. Só os negacionistas contestam e pelo jeito convencem muita gente.Basta ver a queda inconcebível da vacinação obrigatória das nossas crianças vamos pagar caro no futuro, o sarampo já está de volta.