domingo, 8 de março de 2020

BEIRA O RIDÍCULO


O governo brasileiro deixou de fora o jornal a Folha de São Paulo do grupo de jornalistas que acompanharam o jantar entre os presidentes Trump e Bolsonaro acontecido no Resort Mar-a-Lago, na Flórida.

Puro beicinho.

Protestou a Associação Nacional dos Jornais.

"A Presidência da República deveria se pautar pela atuação de forma impessoal, como exige a Constituição Brasileira, sem favorecimentos ou perseguições a veículos de comunicação e jornalistas " 

Blog: Guardadas as estratosféricas dimensões, por estas bandas essa ação anticonstitucional e antidemocrática vem sendo praticada há anos. O tradicional jornal "O Sul de Minas", segundo divulgado, nunca conseguiu sequer se aproximar da Administração nos últimos sete anos.

Segundo cálculos, hoje, dia 08/03/2020, completaria 2.624 dias que o semanário itajubense não consegue acesso e claro, nem informações diretas do poder público local. 

No rádios locais independentes, as mordaças estão sendo lentamente retiradas e constata-se que nenhum tsunami aconteceu pelas bandas do lago. A vida segue normalmente.

Viver é Perigoso

4 comentários:

Anônimo disse...

Pois é , é assim q funciona, por isso a imprensa tem q ser *independente* estranho isso, sei la eu,alias osm nao acerta com ninguem vive na oposicao, tbem da lucro né, afinal a igreja sempre apoia , ou nao? Ah, complicado isso, mas a Folha e a Globo ta sofrendo, ou nao? Tudo fachada!

Anônimo disse...

O que impediu da Falha de São Paulo bancar a viagem do seu pessoal para acompanhar a visita do Bolsonaro???
Queria tudo de graça????

Anônimo disse...

Ué não entendi. Então quem foi convidado foi de graça? E a impessoalidade no trato da coisa pública fica onde? Querem defender o indefensável. Votei no homem mas convenhamos.....

Unknown disse...

Faz parte...