quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

DEPOIS A GENTE VÊ COMO FICA


No início da primeira administração do atual governo, o homem forte era o experiente Engenheiro Adilson Primo, que dizia sobre recursos públicos: " Dinheiro tem. O que falta são projetos". Evidentemente os tempos eram outros.

Mas, tudo indica que a atual Administração continua estudando na mesma cartilha. Fica atenta aos cofres de Brasília.

Detetam recursos no Ministério X para infraestrutura urbana. Correm atrás do recurso e depois bolam alguma obra para conseguir a verba, normalmente através de empréstimos.

Idem, no Ministério dos Esportes, consultam sobre o montante disponível e discutem o que daria para fazer e adaptam um projeto em cima.

Aguardem um Ministério desses disponibilizar recursos (sempre empréstimos) para os municípios que se disponibilizarem para receber, alojar e integrar os irmãos venezuelanos em fuga do seu país ?

Na certa nos acostumaremos, em pouco tempo, a ouvir espanhol na Rua Nova.

Viver é Perigoso   

5 comentários:

Anônimo disse...

Estranho que os homens fortes sempre são os q estão com problemas na justiça, na polícia federal, enfim! Os maus são maus e os bons sao uns idiotas. Viva os fortes q conseguem se safar e ainda dar uma "banana" para todos os idiotas ...

Anônimo disse...

Tolo é aquele q acredita nos fortes! Heiheihei

Edson Riera disse...

Heiheihei -

Fortes são aqueles que adquirem respeito. As "fortalezas" que tentam se impor pela pressão, pela perseguição, estão com os dias contados.

Zelador

Anônimo disse...

Pelos corredores do Palácio, dizia-se que nunca foi forte. Na verdade, uma decepção em termos de gestão e sem nenhum gosto em pôr a mão na massa. Mais um que queria só status e uma posição de poder. Por isso, foi rifado logo na primeira denúncia... pouco ajudava, mais atrapalhava. É o que dizem pros lados do Pinheirinho...

Edson Riera disse...

Pinheirinho -

A sua capacidade é inegável. Mas a administração pública é muito diferente da administração privada. Evidente a dificuldade de gestão. Nas particulares os assessores são escolhidos, quase sempre, pela capacidade, ao contrário do setor público.

Mas concordo...não poderia dar certo.

Zelador