sábado, 21 de abril de 2018

ENTREOUVIDOS EM CURITIBA


Viver é Perigoso

ROQUE SPONHOLZ - O CARA


Meu pai me registrou como Roque Sponholz. Portando este é meu nome. Sou uma porção de já fui e outras tantas de pretendo ser e continuar sendo. Já fui piá de andar descalço, estilingue no pescoço, na minha pequena grande Imbituva. Já mijei em vidro, que meu Vô Eduardo mandou para o laboratório de análises, como se fosse o mijo dele. (Claro que os médicos não o proibiram de continuar bebendo e comendo tudo o que lhe aprazia).

Gosto de estudar. Ainda não consegui me livrar de universidades. Numa delas, a Federal do Paraná, em arquitetura e urbanismo me formei. E desde então, em outra, a Estadual de Ponta Grossa, ministro aulas de planejamento urbano para o curso de engenharia civil, e de desenho técnico para o curso de engenharia de alimentos. Já ganhei concursos de logomarcas, símbolos, cartazes, pinturas, cartuns, arquitetura e até de frases. Milito na Política, (com “P” maiúsculo), com mandato ou sem mandato, desde a infância.

Atuei em diretórios acadêmicos, fui vereador, presidente de autarquias de habitação popular e urbanismo, e de pesquisa e planejamento urbano. Tive a satisfação de ser eleito por duas vezes presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de P. Grossa, a qual vi nascer, forte crescer e para a qual, criei sua logomarca, fiz seu projeto e construí sua sede. Em dezembro de 2005, completo 30 anos de exercício profissional, e nestes trinta, já projetei quase de tudo em arquitetura e urbanismo. com obras espalhadas por alguns estados.

Exalto o traço do Loredano, o cérebro do Millôr, o trabalho e o caráter do mestre Niemeyer. Acho o automóvel a praga deste e do passado século. O transporte individual é o cancro de nossas cidades. Abomino áulicos e covardes. Sou criativo: Crio brigas, confusões e não fujo delas. …Enfim, não tenho nada. Só tenho o que me falta. E o que me falta, é o que me basta. Sem lenço e sem documento, nada nos bolsos e só grafite nas mãos, eu quero seguir vivendo pelos campos, cidades, em pequenas ou grandes construções, caminhando, desenhando, projetando e seguindo a canção.

Viver é Perigoso

sexta-feira, 20 de abril de 2018

ARREGAÇANDO AS MANGAS


A nomeação do Sr. Israel Gustavo Guimarães dos Santos foi publicada ontem como Secretário Municipal Interino de Governo e hoje, dia 20/4, já lhe foi concedido um adiantamento de numerários no valor de R$ 4.000,00 (quatro mil reais), segundo a Portaria 251/2018´destinado a cobrir as despesas miúdas.

Já chegou mostrando serviço.

Viver é Perigoso

Iº CAPÍTULO DA SEXTA TEMPORADA " O TREVO"

Foto site IN
Tomara que desta vez a cerimônia faça sentido. Obra extremamente necessária.

Convém registrar as palavras do novíssimo Ministro Valter Casemiro:

"É com grande satisfação que venho a Itajubá para assinar a ordem para licitação da obra de construção do trevo de acesso à Itajubá."

Quer dizer: Ordenou que se faça a licitação da obra. Daí ao início das obras, vai um caminhão de tempo. Sei não, mas não parece coisa para começar este ano. Afinal, já ouvimos essa ladainha dezenas de vezes. Temos o direito de desconfiar.

O novo Ministro é ligado ao PR, ex-partido do Deputado Bilaquinho e do Vice-Prefeito Christian, que aparecem eufóricos na fotografia. Recém-empossado pelo Presidente Michel Temer, já mostrou serviço saindo em campanha.

Politicamente veio numa hora boa para os Administradores do município, nos últimos dias sob o pesado fogo das denúncias da Polícia Civil. 

O palanque, como costume nessas ocasiões, estava lotado. Além dos já citados, se fizeram presentes, demonstrando todo os seus interesses pela nossa cidade, o deputado federal Aelton Freitas, também do PR, os prefeitos de Pouso Alegre, Maria da Fé, Piranguinho, Pedralva, Andradas, Marmelópolis, Brazópols, Cristina, Conceição do Rio Verde e Piquete (?). 

Também presente o experiente, em cerimônias de anúncio de construção do Trevo do Jardim das Colinas,  Vereador Joel da Guadalupe, morador e defensor intransigente do seu Bairro Jardim das Colinas. O Vereador, certamente, já participou de dezenas de vezes do anúncio da obra.

É a vida...

Viver é Perigoso

EU TAMBÉM !


Miro Teixeira contou a O Antagonista que certa vez perguntaram a Miguel Arraes qual era a sua posição política. Ele respondeu: 

“Sou do partido dos lascados”.

Viver é Perigoso

ENQUANTO ISSO...

Viver é Perigoso

BOM DE LER

Severino Pinto, o maior repentista de todos os tempos na história das cantorias do Brasil, era alvo das atenções. Em determinado instante , foi ao banheiro.
Voltou, e percebi que estava com a braguilha aberta, inteiramente desabotoada. Brinquei com ele, ao acusar seu desleixo com o xará. Respondeu na hora:
- Logo se vê paulista não entende nada de Nordeste. Aqui, seu doutor, casa que tem defunto não fecha a porta.


Severino era um repentista fantástico. Um dia na cidade dele, o prefeito e os vereadores foram comunicar-lhe que haviam dado seu nome a uma das principais ruas da cidade.
- Uma rua ? Agradeço muito, mas não precisava tanto. Bastava uma casa no meu nome.

Um dia ele pelejava com um violeiro mais jovem, e ambos glosavam as costumeiras vantagens. Seu adversidade atreveu-se:

"Isso foi quando era homem,
Quando você era macho;
Mas surgiu alguém mais novo,
Cortou o produto por baixo,
Jogou no meio da rua,
E o gato comeu o cacho."

Severino bateu a viola e respondeu:

"Ofendido agora me acho
Por violeiro mau e bruto.
É verdade, ainda me lembro
Quando perdi o produto:
Sua mãe ficou tão triste
Que até hoje está de luto.

Viver é Perigoso

MAIS DA NOSSA ESCOLA


Deu no site viladeutopia de Itabira (resumo)

A crise instalada no campus da Unifei em Itabira se agravou na quarta-feira (18) com a publicação de um memorando do reitor da Universidade Federal de Itajubá, professor Dagoberto Almeida Alves, nomeando o professor José Eugênio Lopes de Almeida para a diretoria-geral do campus local. Para a vice-diretoria foi nomeado o seu companheiro de chapa, professor Élcio Franklin Arruda.

A nomeação do professor José Eugênio Lopes, que estava como diretor interino, atropela e desconsidera os resultados de uma consulta realizada para a escolha do diretor-geral, cargo que ficou vago em dezembro do ano passado com as renúncias do ex-diretor Dair José de Oliveira, e também do ex-diretor-adjunto Márcio Tsuyoshi Yasuda.

Segundo informações, é a primeira vez que a reitoria nomeia a diretoria do campus sem considerar o resultado da consulta popular.

Dizem os alunos : "Não foi um ato democrático e só confirma o caráter ditatorial que vem assumindo a reitoria com relação ao campus de Itabira".

Os desentendimentos entre alunos, professores e funcionários de Itabira com a reitoria de Itajubá tiveram início desde que a reitoria proibiu a realização de uma consulta sobre a proposta de dividir o campus local em unidades acadêmicas.

Foi o que resultou na renúncia dos professores Dair José de Oliveira e Márcio Tsuyoshi Yasuda, ex-diretor e ex-diretor-adjunto.

Declararam as lideranças do movimento :

"Saiu também uma portaria proibindo manifestações no campus. Mas devemos desobedecer e iremos ocupar a diretoria, para tentar reverter essa nomeação que vai contra a vontade popular. Vamos fazer uma manifestação pacífica para que a reitoria e a cidade de Itabira fiquem sabendo de nosso descontentamento e do autoritarismo crescente em nossa universidade".

Ontem (quinta-feira),um grupo de estudantes, autodenominado coletivo universitário Democratiza Unifei, organizou e foi realizado um protesto. 

“A nossa manifestação foi motivada pela nomeação do diretor e do vice que não foram os mais votados pela comunidade acadêmica, mas isso foi só a gota d’água. O pano de fundo é a falta de democracia na Unifei." 

Segundo desconfiam os universitários, a demora de mais um mês para o reitor nomear o novo diretor, que deveria tomar posse ainda ontem, se deu para que se desse tempo de aprovar o novo regimento disciplinar do corpo discente da Unifei. 

"Eles sabiam que haveria descontentamento por não ser respeitada a vontade da maioria e proibiram manifestações dentro do campo.. Querem nos intimidar com advertências e até mesmo com ameaça de jubilamento (desligamento compulsório do aluno da universidade.”

De acordo com os estudantes, o novo regimento disciplinar recém-aprovado contêm também cláusulas que proíbem, inclusive, os estudantes de manifestarem suas opiniões em redes sociais sobre o que está ocorrendo no campus da Unifei em Itabira. 

Procurada pela reportagem, por meio da assessoria do campus de Itabira, a reitoria respondeu que não iria se manifestar agora, o que será feito em um momento mais oportuno.

Blog: Sei não...

Viver é Perigoso