quarta-feira, 24 de agosto de 2016

MOÇA BONITA

Jean Shrimpton
VIver é Perigoso

terça-feira, 23 de agosto de 2016

TOCANDO O BARCO


Simples de explicar. O "viver é perigoso" e tão pouco o seu redator-chefe, não publicam nada no Facebook, de forma direta, sobre a política municipal. 
No Face, os comentários são livres e a página teria que ser controlada 24 horas por dia. Segundo, para não importunar os amigos.
Quem achar interessante , por alguma razão, o conteúdo do "viver é Perigoso", republique onde quiser.  
E vamos tocando o barco do jeito que dá.

Viver é Perigoso   

CAMPEÃO DE AUDIÊNCIA








Ouvido hoje na Rua Nova:

Realmente foi uma surpresa a Nilda Bitencourt ter assumido uma posição política. Mas tem um lado bom na história: 
Caso o Dr. Ricardo seja eleito, na certa, teremos um programa de rádio da oposição, coisa atualmente proibida na cidade. 
Como prêmio padrão, até poderia sortear para os ouvintes, Ketchup com Pé de Moleque.
Tudo a ver.







Viver é Perigoso  

PANAMÁ


Viver é Perigoso

A ENCRUZILHADA DAS ELEIÇÕES

Conheço a Nilda há muito tempo e admiro a sua luta, sua capacidade e equilíbrio político. Considero-me seu amigo. Conheço a família do Remy há muito tempo. Respeito e os admiro. Conheci pessoalmente o Remy, há poucas semanas. Também já o considero meu amigo. Exceto pela publicação da primeira carta no Facebook, que extrapolou um pouco o contexto de relações de amizade, soando como uma tomada de posição política, são conversas normais e interessantes e trazem a tona o debate necessário.
Viver é Perigoso

Itajubá 22/08/2016
Querido Remy Filho
Você, mais do que qualquer pessoa, sabe o quanto eu gosto e admiro a sua pessoa.
Venho acompanhando seus posts referentes à administração Rodrigo Riera e Christian Gonçalves.
Fico pensando: você, que, até pouco tempo, era amigo e parceiro do prefeito Rodrigo Riera, por que não o ajudou, como presidente da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Itajubá – ACIEI, a trazer mais empresas para a nossa cidade? Com toda a sabedoria e todo o conhecimento que tem, por que não o orientou na direção do caminho que você acha que é o certo? Afinal, estavam fazendo a mesma travessia. Havia tempo para trocas de ideias.
Você deve estar imaginando que escrevo este desabafo por trabalhar numa emissora de rádio que pertence à família Riêra. Mas creia, Remy, não é por isto. Eu não preciso disto. Há outras emissoras que me aceitariam de braços abertos como parceira, pelo meu histórico de vida pessoal e profissional.
O que eu quero realmente entender é o porquê destes posts tão ofensivos à pessoa e ao político Rodrigo Riera.
Abraços fraternos desta que, com certeza, é e continuará sendo sua amiga.

Nilda Bitencourt

Itajubá 23/08/2003
Cara Nilda Bitencourt
Agradeço seu sentimento de gosto e admiração por minha pessoa. 
Referente a seu post faço os seguintes comentários :

1) Você me classificou como, "até pouco tempo amigo e parceiro do prefeito Rodrigo Riera" . Necessito fazer a seguinte correção : parceiro sim, amigo não. Parceiro por força de ocupação . Qualquer presidente da ACIEI estará a disposição da prefeitura para trabalhar em regime de parceria para o bem da cidade . Amigo é outra coisa . O fato de ser cordial com muitos , prende-se a educação e não a amizade. Amigos são poucos e certamente o atual prefeito com quem nunca tive qualquer laço , não faz parte deste enquadramento.
2) A ACIEI não dirige a cidade . Quem o faz é a prefeitura. À Prefeitura compete ações que melhorem e desenvolvam o município. A ACIEI , sempre auxiliou a este e a qualquer outro prefeito nos assuntos referentes a o desenvolvimento do município . Orientar , aconselhar, sugerir sempre o fiz. Do outro lado , no entanto, é necessário um ouvido para acolher , o que você bem sabe, não é característica do atual prefeito. Veja os exemplos ocorridos :
- Zona Azul : recusou e sequer respondeu ofício reportando a percepção da ACIEI quanto a tarifa exorbitante, zona verde de extensão exagerada e extrema dificuldade na aquisição de tickets . Agora que a vaca foi para o brejo, são as instituições do comércio que estão tentando retomar o funcionamento do sistema.
- CODIT : Desativado por não saber escutar opiniões contrárias .
- Revitalização do centro : Começou pela praça que sequer constava do planejamento das entidades e não fez o principal :a Rua nova.
- Aumento do ISSQN : Um absurdo sem tamanho que gerou grande desconforto.
- INCIT : retirado o apoio financeiro de forma absurda , por retaliação por não nomear um afilhado político, deixando de apoiar a melhor incubadora do Brasil.
Reforço que o atual prefeito não tem como característica pessoal o trabalho de grupo, e acolhe idéias somente até onde o interessa.
3) Não vou julgar seu propósito e intenção em fazer estas observações de público. Você, somente você, as conhece bem . Tem os seus interesses e amizades e sabe aonde o seu sapato aperta .
4) Não há post meu ofensivo a pessoa do prefeito ou de sua administração . Há críticas duras e ouvi-las faz parte do salário que ele percebe e é muito bem pago para isto . Cidadão não é capacho . Governante não é rei . Tanto eu como você temos idade que nos permite falar francamente o que pensamos .
5) No mais Nilda, deixo a você explicíto o que penso e pratico sobre ter algum poder : o poder só tem uma vantagem : fazer o bem sem pedir a ninguém . Dá para você compreender o porquê de minha aberta opção pelo Dr. Ricardo Mello ?
Deixo-lhe um abraço,
Grato por sua atenção .
Remy Filho
Blog: Que continuem amigos entre si e meus também.
Viver é Perigoso

OUTROS TEMPOS


Aconteceu na eleição municipal de Itajubá em 2004.
Os candidatos eram o Sr. BPS, Zezinho Riera, Cleber David, Ulisses Gomes, mais o representante do PSTU.
A campanha foi relativamente tranquila até a semana final. Na reta de chegada aconteceram algumas turbulências de pequeno porte (já esperadas).
Na oportunidade era Juiz Eleitoral o Dr. Selmo Sila.
Pois bem:
O Dr. Selmo convidou todos candidatos a prefeito para participarem de um almoço no Restaurante Self-Service "Sem Nome" (cada um pagando a sua despesa).
Atenção: O almoço aconteceu no próprio domingo das eleições.
O grande número de frequentadores ficou assustado com a cena. Candidatos concorrentes (com a votação correndo solta), conversando normal e civilizadamente.
Belíssimo encontro promovido pelo destacado Dr. Selmo.
No dia seguinte, com o Sr. Dito, já eleito, a vida seguiu normalmente.
Sempre dialogamos com respeito com o prefeito eleito, consolidamos a amizade com o Ulisses e o Cleber David.
Seguimos a vida. 
Lamento, mas creio ser difícil para este ano um encontro como aquele coordenado pelo Dr. Selmo, que novamente é o Juiz Eleitoral da Comarca.

Viver é Perigoso

CANTINHO DA SALA

Paul Klee
Viver é Perigoso

SÓ BEATLES


Escreveu Júlio Maria - Estado de São Paulo

Antes de qualquer consideração musical, se é que podemos ainda fazê-las com algum frescor sobre a expressão artística mais noticiada da história, é preciso dizer que a existência dos Beatles se confirma no tempo como um feito arrasadoramente conciliador.
Sem erguer um único panfleto, sem dizer uma só palavra, eles demoliram fronteiras, nocautearam preconceitos, entortaram certezas equivocadas e arrasaram pregadores separatistas que defendiam um planeta livre de seres alienados criadores de uma música que consideravam fácil, fútil, rasteira e massificada.
Ao fazer a música que fizeram, os Beatles foram as únicas forças a unir povos secularmente separados, como jazzistas e metaleiros, sambistas e punks, rappers e compositores eruditos. De grupos tradicionais japoneses a orquestras russas, todos tocaram Yesterday, Let It Be, Hey Jude.
Maior legado nem foi a obra, mas a capacidade de fazer todos cantarem as mesmas canções.
O segredo da sagração dos Beatles passa por uma conquista perseguida por qualquer criatura que queira dar algum sentido musical a um punhado de notas. Eles sofisticaram a simplicidade, ou simplificaram a sofisticação, libertando a música pop de suas convenções sobretudo na estrutura harmônica e nos arranjos sinfônicos. Uma música dos Beatles guarda sempre uma surpresa, mesmo depois de 50 anos. Seus passos foram tão largos que ainda não os alcançamos.
Um jazzista pode gostar de Beatles por motivos completamente diferentes dos de um maestro ou de um roqueiro. O jazz se ajoelha para a riqueza das modulações harmônicas de Paul, as orquestras amam as sobreposições de cordas e sopros pensadas por George Martin e os roqueiros entram em êxtase com Lennon no limite da voz e Harrison no auge da criação. Ringo Starr? É o mortal que estava ali para nos lembrar que, um dia, o homem atingiu a perfeição.

Júlio Maria - Estado de São Paulo

Viver é Perigoso