sábado, 19 de setembro de 2020

MOÇA BONITA


Por qual razão não sei, mas em priscas eras, na Boa Vista, é claro, os pais tinham a mania de colocar os nomes dos filhos seguindo a mesma letra. Muitos seguiam religiosamente a sequência, muitas vezes, até fazendo milagres e dando senhoras forçadas para isso.

Bonita a sequência encontrada pelo Sr. José Machado e Dona Ditinha. Vitória, Virgílio. Virginia, Vilmaro, Viviani, Vivianil, Vinésia, Viena... O Sr. Gilberto e a Dona Dola. Gilda, Gilbertinho, Gilnéia, Gilce, Gilvani, Gilnei. Perdas irreparáveis existiram, mas tinham a mesma sequência. 

Marcaram e marcam época.

Meus Pais José é Dina, começaram com a Edna, seguiram-se Edson, Elizabeth, Eliane, a interrupção para acontecer homenagens: Chegaram a Maria Vírginia (homenagem para nossa Avó materna), José (justa homenagem ao meu pai) e Terça (homenagem a Vó paterna).

Depois, do meu pai com a nossa segunda mãe, chegaram a Marilena, Paulo, Luis Carlos e Regina, sem ordem e aparentemente, sem homenagem direta a ninguém. 

Introdução para mandar uma abraço para a amada irmã Maria Virgínia, Virgínia para tantos e só Maria para mim.

Um esteio para a família. abdicou de tantos projetos para continuar sendo referência e marco de união entre os onze irmãos, tios, sobrinhos, netos.

Um amor de pessoa. Virgínia, da Caixa Econômica Estadual, do Colégio Bem-me-quer, da Receita Estadual, da Igreja Presbiteriana, do nosso Coração.

Um abração pelo dia de hoje.

Viver é Perigoso  

Um comentário:

Anônimo disse...

Tia Virgínia, professora de matemática.