terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

MOROU NA RUA NOVA


Miguel Reale, nasceu em São Bento do Sapucaí em 1910. Filho do médico italiano Dr. Braz Reale e da Dona Felicidade Chiaradia.

Em meados de 1913, a família mudou-se para o Rio de Janeiro, onde instalou uma farmácia e consultório. Não deu certo e vieram morar em Itajubá (moravam na esquina da Rua Nova com a Praça Wenceslau Braz, onde hoje é a CDL)

Realizou seus primeiros estudos em Itajubá no Colégio Nossa Senhora da Glória (da Professora Isaura Santos), mudando-se depois para São Paulo, onde cursou o secundário no Instituto Dante Alighieri e ingressou em 1930 na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, pela qual se formou em 1933. 

Na Faculdade, participou ativamente da política filiando-se à Ação Integralista Brasileira (AIB), agremiação de inspiração fascista fundada por Plínio Salgado (também natural de São Bento do Sapucaí) e que, com o lema “Deus, pátria e família”, pregava a implantação de um Estado corporativo-sindicalista no Brasil.

Como do conhecimento geral, a Ação Integralista Brasileira - AIB, agremiação de inspiração fascista foi fundada por Plínio Salgado em 1932 e que, com o lema “Deus, pátria e família”, pregava a implantação de um Estado corporativo-sindicalista no Brasil.

Como características próprias do movimento, a saudação romana era acompanhada pelo grito da palavra tupi Anauê, que significa "eis-me aqui", enquanto a letra do alfabeto grego sigma (Σ) servia como símbolo oficial da AIB.

Interessante reparar que Plínio Salgado(1895) e Miguel Reale(1910) nasceram na mesma São Bento do Sapucaí, embora informações deem conta que Reale e Plínio se conheceram só em 1932.

Miguel Reale, jurista, advogado, político, filósofo, professor universitário e poeta brasileiro. Foi Secretário da Justiça do Estado de São Paulo e Reitor da Universidade de São Paulo.

É conhecido principalmente por sua longa atuação na advocacia e na academia, sendo um autor de relevo no campo da filosofia do direito. Tomou o barco em 2006.

Em 1975, depois de rejeitar um lugar de ministro no Supremo Tribunal Federal, tomou posse na cadeira nº 14 da Academia Brasileira de Letras. 

A entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial ao lado das forças aliadas em 1942 obstruiu o trânsito dos integralistas junto ao governo. Miguel Reale foi um dos presos durante a onda anti-integralista dessa época. Em seu depoimento à polícia, negou que o integralismo tivesse qualquer semelhança ideológica com o nazi-fascismo.

Seu filho, Miguel Reale Junior, foi ministro da Justiça no Governo Fernando Henrique Cardoso.

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

vixi, o zelador vai começar a andar de boina verde na Boa Vista...