sábado, 30 de março de 2019

A HISTÓRIA SE REPETE


Acontece nas melhores famílias. O cabeça toma o barco e os negócios racham. No caso, o cabeça era o irmão mais velho, Octávio Frias Filho, que partiu, bem antes do combinado, em agosto do ano passado.

A irmã do meio, a jornalista Maria Cristina Frias, assumiu o comando da redação da Folha de São Paulo e vinha tocando. Esta semana, foi destituída do comando da redação da Folha de S.Paulo, sendo substituída pelo, também jornalista, Sérgio Dávila.



A jornalista ressalta que foi "abrupta e injustificadamente destituída de todas as suas funções no Grupo Folha" por ser contrária à reorganização e defender os interesses financeiros e independência da Folha da Manhã, razão social da Folha de S.Paulo.

Judicialmente, ela quer acesso aos livros de registros do Grupo Folha, dono do jornal. Em petição enviada à Justiça, ela diz ter tido sonegado seu direito de informações a respeito dos negócios da empresa de que é acionista.



Na petição, Maria Cristina diz que não tem acesso aos livros das empresas desde 2004, e só teve um dia para analisar um complicado plano de reestruturação promovido por Luiz. Para ela, esse plano vai prejudicar o jornal em detrimento do UOL e do PagSeguro, deixando o jornal deficitário.

Afirma, ainda, que a reorganização societária de seu irmão não atenderia aos interesses do grupo, já que teria como consequência o "abandono" da Folha da Manhã. Se aprovada, diz, a mudança colocaria em risco a saúde financeira da publicação "impondo novos e ainda mais profundos cortes de custos e de pessoal, sem qualquer perspectiva de retorno sobre o capital que investiu anos a fio na sua controlada Folhapar, proprietária da UOL e da PagSeguro".

Luiz Frias, seu irmão mais novo, e Fernanda Diamant, viúva de Otávio Frias Filho, que comandou o jornal até sua morte, em agosto 2018, têm os outros dois terços das ações ordinárias do Grupo Folha. Mas Luiz tem cerca de dois terços da Folhapar, que é dona do UOL e do PagSeguro. Controla, portanto, a maior parte das fontes de renda da empresa. 
A médica Maria Helena Camargo Toledo Piza, filha mais velha de Octavio, também tem ações da holding familiar.

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

O irmão está cansado de tirar dinheiro do UOL e PAGseguro para fechar as contas da Folha, que perde assinantes todos os dias, principalmente pelos que não aceitam a posição extremista que a redação da folha vem tomando nos últimos anos.

Os anunciantes também tem dificuldades em promover um caminhão ou outro produto qualquer pois sempre as manchetes da folha são contra o Bolsonaro. Como os clientes dos anunciantes não vão associar que os produtos que eles compram estão financiando uma campanha contra o futuro do Brasil.

O jornal em papel está acabando, vejam a Gazeta do Povo, tinha um senhor parque gráfico e um dia viu que papel dá muitas despesas e que poderia ter mais lucro com a internet.
O pessoal da folha pega o Uber, pede comida no ifood, assiste netflix e mesmo assim acha que o seu negócio nunca vai acabar.