quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

TEMPOS MODERNOS

Sr. Dito em Primeiro Plano
O Senhor Benedito Pereira dos Santos, e ninguém tem dúvida disso, foi o maior empreendedor da história de Itajubá. Para nós que vivemos na cidade antes do Bairro BPS vem ser a pura verdade. O Sr. Dito teve a visão do Campus da Unifei naquela região e contrariando muita gente, inclusive o escriba, deslocou a administração da cidade para aquelas bandas. Teve o cuidado de projetar e construir duas pistas de acesso beirando o Córrego Zé Pereira.

Vieram os prefeitos seguintes, Dr. Jorge e Rodrigo Riera seguindo nos investimentos naquela nobre região. Projeto e construção do Parque Municipal, Teatro, Cinema e Grande Colégio. Vem por aí o novo Fórum Municipal e, quando tiverem coragem, a Câmara Municipal.

Consequência lógica: aumento do volume do trânsito na avenida principal (que de forma justa leva o nome do empreendedor) e nas ruas do bairro. Engarrafamentos, barulhos e confusões normais do acentuado movimento.

Shows, movimentação escolar e outros, inevitavelmente tirarão a tão badalada qualidade de vida do elitizado bairro, já não tão, face a quantidade de "repúblicas" instaladas.

Lógico que providências terão que ser tomadas pelo Departamento de Trânsito da Prefeitura para as adequações necessárias. E isso incomoda os moradores, conforme protestos publicados nas redes sociais.

O que não deixa de causar um certo prazer na turma do "andar de baixo".

Boa oportunidade para lembrar um pouco a história do "morumbi itajubense". Ou seria Alphaville ? Ou Barra ?      

"Os terrenos hoje ocupados pelo bairro BPS formavam extensa área, conhecida outrora pelo nome de Potreiro.
Eram terrenos muito baixos,sujeitos a enchentes,provocadas pelo Ribeirão José Pereira, que transbordava todos os anos, inundando-os completamente.
por esse motivo,essas terras eram pouco cultivadas e cobertas sempre de boas pastagens, muito apropriadas para abrigo e criação de animais.
Daí o nome Potreiro, pelo qual eram conhecidas e chamadas.
Pertenciam à Baronesa de Santa Eulália, residente em Lorena, e eram administradas,desde longa data,pelo Cap. Antonio José Rennó, do Partido Conservador.
Após um desentendimento com o Cap. José Antonio Santos Bretanha, sobre a administração do Potreiro, O Cap. Rennó, de volta de uma viagem à Côrte, passou por Lorena, onde procurou a Baronesa de Santa Eulália, comprando-lhe o Potreiro."

Armelim Guimarães

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

Parece que já estão providenciando o alargamento das 2 pistas.Enquanto isso as estradas rurais.......