quarta-feira, 21 de março de 2018

MOMENTOS MÁGICOS



Dica do Walter Bianchi e Marcos Carvalho - Mogi Guaçu e Santa Rita de Caldas. Quase para ouvir de joelhos.

Viver é Perigoso

3 comentários:

marcos antonio de carvalho disse...

A gloria do choro: três gerações se divertindo ao fazer-nos salivar.
Uma baba bovina e elástica, como diria Nelson Rodrigues.

E recordar saudosos quintais, com mangueiras, em manhãs de domingo, ou tardes preguiçosas com cadeiras na calçada, que não chegamos a venerar, injustamente.

Viva Patápio Silva, Pixinguinha, Altamiro Carrilho, Anacleto de Medeiros, Zequinha de Abreu, Copinha e tantos outros que faziam a flauta "falar"!!
Viva o violão de sete cordas!!
Dino fechou a porteira pros próximos 50 anos, pra ficarmos no terreno da modéstia.
Viva o pandeiro de Jorginho!!
Viva o bandolim e seu primo, o cavaquinho!! Aqui entra Jacó, e, muitos degraus abaixo - sem qualquer desdouro ("desdouro??" ô lôco sô...) - Deo Rian, Joel, Carlinhos, Henrique Cazes, uma turma.
Viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu.
Abraço nostálgico

Edson Riera disse...

Marcos -

Lembrei-me de um colega da Engenharia que formou-se e exigiu um emprego, melhor, uma colocação, no Rio de Janeiro. Priscas eras do Madame Satã dando navalhadas sob os arcos da Lapa. Passou lá alguns anos trabalhando de noite e dormindo na repartição durante o dia. De lá exigiu transferência para Salvador onde aprimorou-se na batida afro-baiana.

Virou professor de tudo.

Abraço

Zé lador

marcos antonio de carvalho disse...


Conheci o cara. Deixou em crédito muita coisa no Rio, quando só se morria se a bala tivesse endereço gravado, mas aquelas voando soltas já estavam fazendo ENEM.

Acabou de perder toda a rua da Carioca, que, não demora vai virar a cracolândia carioca.

E o Bar Luiz, símbolo etílico da Carioca??
Croquete dos "bão", porém caríssimos: tinha-se que abrir linha de crédito no BNDE (à época sem o S) prá poder pagar um chope escuro com 4 croquetes num pratinho branco de louça.

Pronde foi o Bar Luis???

DICA PRA FAZER CARIOCA BRIGAR:
O Bar Luis sempre foi melhor que o Bar Lagoa, tão incensado em finais do século passado (cria da turma do Pasquim, decerto pro Tarso beber de graça).
Tem gente que achava um garçom mal educado que atendia lá "um charme".
O Bar Lagoa era (é?) uma espécie de Bracarense de hoje: quem fez sua (dele) fama já rapou fora.
Abração
Amigo do cara (a sôdade é for pungente, já disse o poeta)