domingo, 25 de março de 2018

E AINDA SEGUEM SOLTOS


Digna de prêmio a reportagem sobre Maduro/Odebrecht e BNDES publica hoje no Estadão. Tudo documentado, de como o presidente Maduro, da Venezuela, liberou mais de US$ 4 bilhões para obras da Odebrecht em projetos financiados em parte com dinheiro do BNDES.

O pagamento foi ordenado dias após a eleição de Maduro em 2013, cuja campanha a construtora admitiu ter financiado com caixa 2. Segundo  investigação, a liberação de recursos fazia parte de um acerto entre Maduro e a construtora. Em troca de US$ 35 milhões para a campanha, o presidente daria "prioridade" para que recursos extraorçamentários bancassem obras da Odebrechet.

O ex-diretor da Odebrech já depôs sobre isso na sua delação premiada, bem como o casal de publicitários Mônica Moura e João Santana. 

Impressionante e não surpreendente, a relação Maduro, Odebrecht, Mônica Monteiro (mulher de Franklin Martins), José Dirceu, PT, Lula e Dilma, quase sempre via BNDES. 

Miséria na Venezuela, que continua contando com a delirante aprovação do PT, e perspectiva de monumental "cano" no BNDES, que logicamente, será assumido pelo Tesouro Nacional. Ou seja, pelo povo brasileiro. 

Ainda não vimos e não sabemos de quase nada.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: