segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

SÃO DOIS PRÁ LÁ E DOIS PRÁ CÁ



As mulheres pensam que conquistaram espaço nos últimos 50 anos. Realmente aconteceu em alguns setores, mas nunca jamais nos relacionamentos.
Mandavam e desmandavam, mesmo sem saber, nos heroicos rapazes sobreviventes dos anos 50 e 60.
Existiam pouquíssimos telefones. A comunicação era feita por cartas e bilhetes levados por amigos. 
Um olhar e um furtivo sorriso era a glória. Uma cara fechada ou virada era o desespero. A fuga estava nos bares e no fundo musical. Barba por fazer, olhos vermelhos, roupas amassadas e cervejas. Cigarro apagado no canto da boca e perdendo aulas e até provas. Coisa para valente.

A saída ou a perdição estava no bolero.

Dizem que o bolero é uma dança de origem árabe. Pelo fato dos mouros terem ocupado a Espanha por vários séculos, para lá foi levado. O ritmo como conhecemos hoje teve a sua origem em Cuba, fazendo muito sucesso no México e depois por toda a América Latina. O ritmo foi se modificando, tornando-se mais lento e desenvolvendo especialmente temas mais românticos.

Historiadores afirmam que o primeiro bolero a ser composto, foi "Tristezas", composto pelo cubano José “Pepe” Sánchez, em Santiago de Cuba, no ano de 1886.

Tristezas me dan tus quejas, mujer, profundo dolor que dudes de mí no hay prueba de amor que deje entrever cuánto sufro y padezco por ti. La suerte es adversa conmigo, no deja ensanchar mi pasión, un beso me diste un día y lo guardo en el corazón. 

A temática do bolero é classificada pelos especialistas como, amor por alguém, exigência amorosa, desejo,carência dolorosa de amor, danos (ausência de correspondência, traição) e amor classista, como nos casos que envolve mulher rica e homem pobre.

Sempre manteve seu caráter de dança de galanteio, suave, terna e romântica, com movimentos caracterizando uma eterna busca da conquista da mulher amada, que por sua vez seduz o parceiro, num jogo que pode durar 3 minutos ou mesmo uma vida inteira.

No Rio de Janeiro, essa dança adquiriu uma estruturai complexa incorporando movimentos do Tango, como trocadilhos, esses, caminhadas, cruzados e giros.Mais enfeitada. No interior do País, restringia-se praticamente a base do “do dois para lá e dois para cá” ou maís ao “um pra lá e dois para cá”.

Sobrevivemos.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: