terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

MANUAL DE REDAÇÃO


"As pautas não estão dentro das redações. Ela gritam em cada esquina. É só por o pé na rua e a reportagem salta na nossa frente. Essa percepção, infelizmente, é a que mais falta aos jornais, que perderam o cheiro do asfalto, o fascínio da vida, o drama do cotidiano. Têm o gosto insosso de hambúrguer em série..."

Prosseguindo com o jornalista Carlos Alberto Di Franco, do Estado de São Paulo:

"Nós jornalistas, temos um papel importante. Devemos dar a notícia com toda a clareza. Precisamos fugir do jornalismo declaratório. Nossa missão é confrontar a declaração do governante com a realidade dos fatos. Não se pode permitir que as assessorias de comunicação dos políticos definam o que que deve ou não ser coberto. O jornalismo de registro, pobre e simplificador, repercute o Brasil oficial, mas oculta a verdadeira dimensão do país real. Precisamos fugir do espetáculo e fazer a opção pela informação. Só assim, com equilíbrio e didatismo, conseguiremos separar a notícia do lixo declaratório.
Transparência nos negócios públicos, ética, boa gestão e competência são as principais demandas da sociedade...
Jornalismo é a busca de essencial, sem adereços, qualificativos ou adornos. O jornalismo transformador é substantivo. Sua força não está na militância ideológica ou partidária, mas no vigor persuasivo da verdade factual e na integridade da sua opinião.
Informação é arma da cidadania."

Viver é Perigoso

4 comentários:

Anônimo disse...

Jornal é uma coisa jornaleco é outra coisa , vc sabe Zezinho , vc conhece vc confia , q merda hein . Kkkkkkkk

Anônimo disse...

Pautas ? São PAUTA$, $imple$ a$$im. Ah ..

Anônimo disse...

Na terrinha não existe jornalusmo , existe sim um comercio normal nesta área onde todos tentam e sobrevivem das migalhas e das disavensas do cotidiano pobre e triste de uma comunidade pequena e envolta de preconceitos e arrogancias mil. Maria Paula

Anônimo disse...

😱😱😱😱😱