sexta-feira, 22 de setembro de 2017

DURO NA QUEDA

Bastante procedentes os comentários dando conta que a verdadeira oposição ao Prefeito Municipal está dentro da própria prefeitura. Se não vejamos:

Sob o título "Decisão do Prefeito Municipal", o site da PMI, publica hoje, 22/9/2017 (assinado em 21/9/2017) que o Chefe do Executivo acolhe integralmente o Parecer Jurídico do Procurador Geral do Município, como razão de decidir, como se aqui transcrito, para fim de decretar a nulidade da Tomada de Preços 003/2017. destinado à contratação de empresa especializada em recapeamento asfáltico das vias´públicas de Itajubá pelo vício apontado.

Pois bem, seguindo os acontecimentos:

1 - A Tomada de Preços 003/2017, de 14/6/2017, tratou da contração de empresa especializada em recapeamento asfáltico das vias públicas de Itajubá.

2 - A Ata Final de Classificação de empresa para o recapeamento asfáltico das vias públicada de Itajubá, de 16/8/2017 (publicada no mesmo dia), decide classificar a empresa "DURO NA QUEDA CONSTRUÇÕES LTDA" pelo valor proposto de R$ 1.055.735,36 e ainda devido a mesma ter apresentado proposta condizentes com os termos do edital, bem como ter atendido todas as legislações vigentes.

3 - Foi assinado, no dia 25/8/2017 e publicado no dia 29/8/2017, o Contrato 041/2017, celebrado entre o município de Itajubá e a empresa DURO NA QUEDA CONSTRUÇÕES LTDA, para recapeamento asfáltico das vias do município.

4 - Datado de 28/8/2017 e publicada no dia 15/9/2017 no site da Prefeitura Municipal de Itajubá, a determinação da  paralisação da execução da obra de asfaltamento asfáltico das vias do município, em decorrência do órgão fiscalizador Caixa Econômica Federal estar analisando o processo licitatório e não ter liberado a AIO - Autorização de Início de Obra.

5 - No dia 20/9/2017, o Jornal Itajubá Notícias, em sua edição impressa, informou que em contato com a Secretaria Municipal de Comunicação (acontecido no dia 18/9/2017) , foi informado que a Ordem de Serviço foi liberada e ela prosseguia normalmente.

6 - No dia 20/9/2017 (quando o jornal chega as bancas), a reportagem do IN esteve no local das obras e constatou que as mesmas não tinham sido reiniciadas. De imediato, registrou o fato na sua edição eletrônica (20/9/2017). Acrescentando, que em contato com o Eng. Fábio Salomon, da empresa DURO NA QUEDA CONSTRUÇÕES LTDA, o mesmo informou que já havia recebido a Ordem de Serviço e que a partir do dia 1º de outubro estaria na cidade dando continuidade ao serviço.

Como dá para observar, um dia depois (21/9/2017), o Prefeito Municipal, em razão dos vícios apontados pelo Procurador do Município, decretou a nulidade da Tomada de Preços 003/2017. Sem "tirar uma" com ninguém, possivelmente, apenas a anulação da Tomada de Preços não signifique que a Ordem de Serviço não possa seguir em frente.

É a vida...

Viver é Perigoso  

Um comentário:

Anônimo disse...

É duro na queda! Kkkkkk. Machão