terça-feira, 14 de março de 2017

ABSURDO DOS ABSURDOS


Todos já leram sobre o Sr. Filinto Muller, Chefe da Polícia no Distrito Federal (então no Rio de Janeiro) em 1933 e permaneceu no cargo durante o governo Vargas até 1942. Dizem, que no período, cerca de vinte mil pessoas foram presas. Muitas prisões arbitrárias e tortura de prisioneiros.
Ganhou repercussão internacional no caso da prisão e deportação da judia Olga Benário, companheira do líder comunista Prestes. Olga foi deportada para a Alemanha, já grávida, onde posteriormente foi executada na prisão pelos nazistas.

Os tempos são outros e absurdos de menor porte continuam acontecendo debaixo dos nossos narizes.

Temos no nosso, às vezes, democrático País, três poderes distintamente constituídos e todos com a mesma importância. Nenhum deles pode e deve sobressair ao outro.

Pois é... um Vereador atuante e experiente, absolutamente dentro de suas funções, visitou as instalações de uma Escola Municipal na cidade, para checar as abandonadas instalações e propor, oficialmente, uma ação imediata da Administração Municipal, visando reparar o estado de abandono.

Foi atendido por uma Professora que o acompanhou na visita.
Pois bem, acreditem querendo: A Mestra foi admoestada verbalmente (por escrito) pelos superiores (?) por ter conversado com "com tão perigoso elemento", sob a paupérrima desculpa de ter-se afastado de sua atividade.

Um desrespeito frontal ao Legislativo Municipal, ao ex-Prefeito e Vereador Chico e a Sra. Professora.
Tal "Advertência Verbal" que foi escrita em papel timbrado da PMI, provocou lembranças dos casos lidos sobre a atuação do Chefe de Polícia Filinto Muller.

A cidade universitária segue caminhando com vândalos de todos os tipos. Alguns agindo de madrugada e outros em plena luz do dia.

Viver é Perigoso   

Nenhum comentário: