quinta-feira, 1 de setembro de 2016

BALAIO DE GATOS


Apesar do impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT), que levou a posse do vice Michel Temer (PMDB), nesta quarta-feira, a aliança entre os dois partidos em Minas permanece como está.

O líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Durval Ângelo (PT), argumenta que são realidades distintas. "Nossa relação não muda nada. A questão nacional não nós atinge de forma alguma. A aqui em Minas não faço nenhum acordo com quem votou pelo impeachment, faço com os deputados estaduais", declarou.

O líder do PMDB na Assembleia, João Magalhães, apresentou a mesma avaliação. "Nossa relação aqui é diferente da de Brasília", conta, descrevendo que existe uma separação natural entre o partido no nível nacional e no estadual.

O Tempo

Viver é Perigoso

2 comentários:

Anônimo disse...

O líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Durval Ângelo (PT), argumenta que são realidades distintas. "Nossa relação não muda nada. A questão nacional não nós atinge de forma alguma. A aqui em Minas não faço nenhum acordo com quem votou pelo impeachment, faço com os deputados estaduais", declarou.

É por isso que MINAS está de cabeça baixa, os mineiros estão sendo humilhados, estão arrependidos, na verdade sentindo a merda que fizeram ao votar no PT.
Bem feito, agora vamos ter que aguentar para aprender a votar.
Retrocesso, vergonhoso!
Pobre MINAS. Fazer o que? agora é aguentar....

Edson Riera disse...

Anônimo das 11:25 horas,

Com o avanço das investigações, o Pimentel não escapará. Assim os tucanos ficaram abalados com a prisão do Nárcio, chegará em breve a vez dos petistas. A estrela do PMDB mineiro continua sendo o Newton Cardoso, que por razões que a própria razão desconhece, segue livre.

Zelador