segunda-feira, 22 de agosto de 2016

TOMAR OU NÃO POSIÇÃO ELEITORAL

Lógico que a realidade é diferente dos grandes jornais e dos grandes centros. Mas tentamos trazer a questão para o interior mineiro, onde no caso de Itajubá, Os jornais "O Sul de Minas" e o "Jornal da Cidade", pertencentes a mesma empresa, declarou em editorais o seu apoio ao candidato a prefeito, Dr. Ricardo Mello.
O Outro jornal da cidade, "Itajubá Notícias", ainda não se manifestou a respeito.

Tempos atrás, deu no site "Negócios de Comunicação:

É grande a tentação de seguir o que já faz há tempos a imprensa de outros países, principalmente dos Estados Unidos e Inglaterra, onde grande número de jornais e revistas, em datas próximas às eleições, publica editoriais manifestando apoio a candidatos.

No Brasil, nas eleições de 2002, o jornal O Estado de S. Paulo e a revista Carta Capital, em uma atitude pioneira no país, explicitaram sua preferência entre os presidenciáveis e lançaram algumas dúvidas nos meios jornalísticos: seria o início de uma tendência? Isso ajuda a aprimorar a democracia ou é o contrário? Como fica a relação com os leitores?

Afirmou o diretor de Redação Sandro Vaia, do Estadão:
"A motivação do Estadão ao assumir a preferência não foi uma tentativa de agradar aos leitores. "Ao declarar a sua preferência política em editorial, o jornal está manifestando a sua opinião, baseada em princípios, e isso não está sujeito à verificação em pesquisas com os leitores, pois não é uma questão mercadológica".

Questão clássica nas campanhas eleitorais, o fato de grandes jornais em sólidas democracias assumirem em editorial seu candidato predileto "é perfeitamente legítimo desde que a posição do veículo não contamine ideologicamente a cobertura factual, de forma a distorcer os fatos". O exemplo mais evocado desse modelo é o da revista inglesa The Economist, que assume posição política em seus editoriais e ao mesmo tempo é respeitada no mundo inteiro pelo aprofundamento de suas reportagens e confiabilidade de suas informações.

Pouco antes das eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2004, o jornal The New York Times declarou, em editorial, seu apoio ao candidato democrata John Kerry, seguindo a tradição do jornal, mesmo com o seu oponente, George W. Bush, em vantagem nas pesquisas. Mas não se trata de um alinhamento partidário. Décadas atrás, o jornal apoiou o candidato republicano Dwight D. Eisenhower e, na eleição seguinte, o democrata John Kennedy.

A grande maioria dos jornais regionais americanos tem o mesmo hábito, e não se pode negar sua grande influência nas zonas em que circulam. Bush e Kerry colecionaram dezenas de editoriais favoráveis, mas o NYT, pela sua influência em todo o país, é o apoio mais cobiçado. Outros jornais de peso, como The Washington Post, The Wall Street Journal e The Los Angeles Times, nunca deixam de anunciar sua posição.

No ano passado, na Inglaterra, os influentes Financial Times, The Times, The Guardian, a revista semanal The Economist e os populares The Sun e Daily Mirror apoiaram Tony Blair, que buscava seu terceiro mandato, enquanto os diários Daily Mail, Daily Express e Daily Telegraph pediram voto para os conservadores. Só o jornal The Independent, que é de centro-esquerda, ficou em cima do muro, porque antes apoiava Blair mas vinha criticando o governo desde a invasão do Iraque.

O jornalista Maurício Azêdo, presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), uma das instituições brasileiras que mais se empenharam na defesa das liberdades democráticas, apóia a explicitação do voto pelos meios de comunicação. "Acho bom jornais e revistas terem um posicionamento aberto em relação às questões políticas, ressalvando: "desde que mantidas a ética, a verdade e a qualidade das informações". Ele vê como "algo natural e até desejável" a manifestação aberta em espaço editorial da opção político-partidária dos veículos.

Já o diretor-executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Fernando Martins, diz que esse assunto "é questão interna de cada veículo" e que não cabe à entidade se manifestar sobre a linha editorial das publicações, mas acrescenta que a ANJ cuida para que sigam o código de ética, que entre outros princípios defende a independência, a liberdade de expressão e o livre exercício da profissão jornalística.

A Associação Brasileira de Revistas e Jornais (Abrarj), uma das entidades que representam os proprietários de meios impressos, concorda com a atitude tomada em 2002 pelo Estadão e pela Carta Capital. "Essa tendência é válida porque acaba com a história de enganar o leitor, colocando a posição nas entrelinhas das matérias, o que não é o certo. Uma vez declarado o seu voto, a revista ou o jornal são claros com o seu público", ressalta Walter Estevam Junior, presidente da Abrarj. A melhor receita, segundo ele, é dizer "nós apoiamos o candidato fulano" e "fazer uma cobertura honesta".

Nada para se comparar, mas apenas para ver que o posição adotada pelo Eng. Luiz Antonio Santiago, Editor Chefe dos jornais citados, não é nenhum absurdo e talvez seja mesmo, uma tendência.

Viver é Perigoso

21 comentários:

Anônimo disse...

Edson,sua análise é perfeita, assim como sua intenção.Pude acompanhar durante um certo período,jornais americanos com posições definidas em campanhas eleitorais.Isso pode ser até uma tendência,contudo é vital ressaltar que a características principais de um jornal qdo toma essa posição é manter, acima de tudo,independência e isenção.Sem isso, não passa de propaganda barata!Temos independência e isenção nos jornais da terrinha?

Anônimo disse...

Zezinho, por favor, pelo amor a Deus, pare com isso, vamos nos ater a nossa insignificância, a nossa mediocridade, onde já se viu vc fazer esta comparação dos nossos jornalznhos dependentes, com JORNAIS da Capital, dos USA?
Pare com esta arrogância, alias tipica também dos donos de jornais da terrinha que se acham o máximo, os competentes, os fodões, faça me o favor, são ridículos, pobres de espirito, que precisam matar uns duzentos leões por dia igual a qualquer trabalhador neste pais.
Imprensa, imprensinha, é para INFORMAR,COMUNICAR, não é para DAR OPNIÃO, Jornalzinho é pra gente LER e achar ou não achar alguma coisa, onde já se viu que eu tenho que aceitar ou sequer saber da opinião pessoal do dono de qualquer Jornal, alias os donos dos jornais daqui são uns malas, dependentes,comprometidos, operários, trabalhadores de um dia na semana, e só querem é curtir a arrogância e a metidez achando que são "os caras", são o que?
As coisas estão indo pra um caminho errado, ja ja vai ser obrigatório um monte de coisas, vamos ter que aceitar um monte de coisas achando engraçado e gostando até, vamos continuar no caminho dos VALORES VERDADEIROS, a coisa esta escambando e avacalhando muito pra tudo quanto é lado.
Cada macaco no seu galho, é simples.

Anônimo disse...

Do jeito q vc ta se colocando se o RM ganhar o jornal oficial vai ser o OSM e o IN jamais vai ter acesso a PM.
Ta certo?
Do contrario o IN vai ser o oficial e o OSM ta ferrado.
Vamos usar o bom senso pessoal, cada coisa é uma coisa, misture Ketchup com pe de moleque e da dor de barriga.

Imprensa , entidades, igreja, cada um no seu quadrado.

Anônimo disse...

Essa tendência é válida porque acaba com a história de enganar o leitor, colocando a posição nas entrelinhas


Combinem com o Rodrigos Marquiz, quero ver?
kkkk

Edson Riera disse...

Anônimo das 09:08 horas,

Concordo inteiramente com você. Até compreendo as razões, mas na terrinha, dois jornais são tomados ou melhor foram obrigados a expor claramente suas posições.
O outro, também por questão empresarial, anda pisando em ovos.
É a vida.

Zelador

Anônimo disse...

Zézinho

Porque não falar do Estadão , Folha , Isto é e Veja , que sempre tiveram posição e nunca foram isentos e honestos ?
Abraços

Alaor

Edson Riera disse...

Anônimo das 10:46 horas,

Lembre-se: Pensar globalmente e agir localmente. Funciona.

Zelador

Edson Riera disse...

Anônimo das 10:51 horas,

Imprensa oficial não tem crédito. Pelo que conheço dos personagens,ganhando o RR, o Santiago terá que se ajoelhar para conseguir uma informação ou conseguir uma entrevista. Ganhando o RM, o Rodrigo Marques terá o acesso normal às informações.
Como disse o Millôr, jornal é oposição. O resto é armazém de secos&molhados.

Tenhoa a impressão:Enquanto o RR não ver o "O Sul de Minas" fechado, ou sob outra direção, ele não sossega.
Enquanto o Santiago não ver o RR nas barras da lei, ele não sossega.
Eles têm suas razões. Perdemos nós.
Na política, temos que manter os adversários numa distância segura para que não nos atinja e não tão distante para podermos fazer as pazes. Já não são adversários.

Zelador

Zelador

Edson Riera disse...

Anônimo das 10:55 horas.

O Itajubá Notícias, pelo seu estilo, não vai apoiar claramente ninguém. Mas é obrigação do jornal comentar a administração que está no poder, com observações duras que ela merece, inclusive as limitações sofridas pelos rádios e mesmo pelo jornal concorrente. Ausência de transparência, etc.
Veremos.

Zelador

Edson Riera disse...

Alaor,

Graças ao Estadão, Folha, Isto é e Veja, grande parte das falcatruas acontecidas no Brasil, principalmente nos últimos 13 anos, foram denunciadas.
O Estadão é histórico quando da Revolução Constitucionalista. Lógico, imagino eu, que em algum momento defenderam pontos de vista e interesses não muito definidos. Não creio em desonestidade nesses grandes orgãos de imprensa, mesmo porque, os seus colunistas, repórteres e até fotógrafos têm nuances políticas diferentes.

Você não perde a mania de levar qualquer discussão para a questão do PT. Só falta uma semana e aí cairemos matando no PMDB. Aliás, todos os partidos, como aí estão, já morreram. Até já cheiram mal.
Abraço,

Zezinho

Anônimo disse...

O Itajubá Notícias, pelo seu estilo, não vai apoiar claramente ninguém.

Fala serio Zelador.

Anônimo disse...

Como disse o Millôr, jornal é oposição. O resto é armazém de secos&molhados.


Se concordamos com isso, os DOIS estão errados. Mas o problema é: Tudo por Dinheiro, ou não?

Edson Riera disse...

Anônimo das 18:27 horas,

O IN vaí apoiar uma Câmara forte independente, assim acredito. Dessa forma, sutilmente, estará tomando posição.

Veremos.

Zelador

Anônimo disse...

Zézinho

Realmente .A carcaça exposta ( partidos e principalmente pelo PT , imprensa , justiça etc ) só exala podridão .
Entretanto o que quis dizer é que a imprensa deva ser idônea .
O jornal deve ter a sua opinião que deva ser explicitada no seu editorial, mas as matérias não devem ser vinculadas a defender ou atacar partido A ou B .Devem expor unicamente o real.
Exemplificando , o tal do triplex, agora que ficou provado que não é do Lula , tente imaginar o que se gastou nesta afirmação e agora que ela não se comprova qual o espaço que foi dado a respeito ?
Isto é honesto ou medo da democracia levar novamente o Lula a presidência ?
Infelizmente nada se pode esperar de bom neste Brasil .Talvez algumas medalhas e mais nada .
Abraços

Alaor

Anônimo disse...

Zelador..tem hora que você se enrola, ou quer nos enrolar. No âmbito nacional você diz que só falta uma semana para terminar a questão do PT e o povo cair matando no PMDB. Oras, no âmbito municipal já é diferente! Você deita o porrete faz tempo nas pessoas que fazem parte do PMDB e se mantém neutro ou mesmo apoia as pessoas do PT!! Que lógica é essa? Quer dizer que o PT daqui é mais limpinho que o PT de lá? O Ulisses, a Celinha, o Paulo Guéla e os demais são diferentes? Não fazem parte da mesma quadrilha? Concordo que todos estão cheirando mal, inclusive os daqui, muito próximos do Fernando Pimentel.

Edson Riera disse...

Alaor,

Tudo bem. Não estava sabendo que o triplex não é mais do Lula.

Abraço

Zezinhp

Edson Riera disse...

Anônimo das 18:50 horas,

Falei do PMDB nacional. O pessoal do partido aqui da terrinha eu conheço bem. São pessoas corretas. As críticas, os casos são citados, se referem ao estilo de fazer política e administrar o município.
Não quero enrolar ninguém e tão pouco participar de refregas pessoais.
O Dr. Paulo, a Célia e outros conheço e creio que jamais fariam parte de alguma quadrilha, assim como o Tião e o Rodrigo.
A Dilma sairá, bem como o Cunha. A bola da vez, nesse país em ruínas será o PMDB, ainda mais com as denúncias premiadas, que fazem referência a toda a cúpula do partido.

Zelador

Anônimo disse...

Zelador, cadê o comentário que citava que os Petralhas daqui são sócios da Cooperativa de serviços médicos?

Edson Riera disse...

Anônimo das 08:24 horas,

Procurei alguma informação sobre o assunto e não encontrei. Favor adiantar alguma coisa sobre essa Cooperativa.

Zelador

Anônimo disse...

Vou procurar, não me lembro o nome da cooperativa. mas que existiu e eles eram sócios tenho certeza. Sei que na região atuou em Piranguinho quando da gestão do PT. Prá variar deu problema... isso foi publicado a algum tempo atrás nos jornais locais.

Anônimo disse...

Mas porque o comentário não apareceu? Não foi aprovado?