quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

POSSIBILIDADE DE SE ENTORNAR O CALDO

Foto Facebook
Chuvas, de forte intensidade e rápidas, vêm acontecendo com certa frequência na terrinha. Nada anormal. Nada do que não tenha acontecido antes.
Estávamos (e estamos) atentos à possibilidade das enchentes, no Rio Sapucaí, tradicionais do período. 
Estamos, há tempos, desatentos às inundações rápidas decorrentes das chuvas.
A rede coletora de águas pluviais na cidade é um mistério. Não de hoje, carentes de investimentos em novas obras e em manutenção.
De positivo, dentro do assunto e na atual gestão, registre-se a substituição dos tubulões sob a BR-459, no Ribeirão Anhumas.
Desde a Administração Pedro Mendes o escoamento das águas das chuvas não é prioridade dos políticos. São obras fundamentais, mas não brilham aos olhos. O calçamento encobre. Não são águas vivas, iluminadas e musicais.
Reza a sabedoria popular que a casa é o asilo inviolável do cidadão. As águas das enxurradas não necessitam de mandato judicial e nem de horário estabelecido para invadir os lares que, habitualmente, são habitados por eleitores indignados e donos de boa memória. Não levam em conta possíveis fenômenos climáticos. Responsabilizam os administradores públicos pela ausência de providências. 
O setor de comunicações da Prefeitura Municipal tem vivido em sobressaltos. Aparentemente, mais ativo do que a Defesa Civil e a Secretaria de Obras.
Justificam daqui, informam dali, desmentem de cá. Redigem torrencialmente. 
Pânico ao defrontar com registros fotográficos de inundações publicados na internet. Imagens são definitivas num ano eleitoral e, na certa, têm provocado saudades da clamorosa seca do ano passado.
É a vida...

Viver é Perigoso
    

2 comentários:

Celem disse...

Zé, alguns comentários:
1- ontem, mesmo com a obra sobre a BR o Anhumas transbordou e inundou várias ruas da Medicina. A obra ajudou? Acho que sim, mas não é o suficiente;
2- a cidade vem sofrendo há tempos, e continua, com a falta de de planejamento. Exemplo: sabemos pelo Plano Diretor quais são as áreas permitidas para expansão imobiliária. Baseado nisso liberamos novos loteamentos e construções. O empreendimento faz seu projeto de drenagem. Por exemplo tubulões do 60/80 na drenagem pluvial. Aí ligam isso na rede antiga de 20/30 nas ruas imediatamente abaixo! Problema na certa. Bairro BPS é um dos exemplos disso com os loteamentos no entorno;
3- está em fase de discussão e aprovação os Planos Municipais de Saneamento(PMSB) dos 6 municípios do nosso consórcio. Itajubá inclusa. Uma das 4 áreas do plano é a drenagem urbana. Quem os tiver aprovados poderá buscar recursos federais ( se existirem nessa crise) para a execução de projetos e obras. Esperemos que a partir daí algum tipo de planejamento seja realizado.
Abs.
Celem

Edson Riera disse...

Celem

Grato. Tomei a liberdade de publicar.

Abraço