quarta-feira, 26 de maio de 2021

RETRATO EM BRANCO E PRETO



Já lidei com campanhas políticas por diversas vezes. Antes de mais nada, torna-se fundamental providenciar uma Pesquisa Qualitativa para se estudar o quadro e momento. O partido DEM bancou e o site "O Antagonista" analisou e publicou.

Bastante real:

"A pesquisa reforçou que há espaço para uma terceira via e que existe, sim, um movimento consistente “nem Bolsonaro, nem Lula”, embora o eleitor ainda não consiga enxergar quem exatamente poderia quebrar essa polarização.

Os brasileiros, segundo a pesquisa, estão com sentimentos difusos para 2022, incluindo “indignação” e “esperança”, assim mesmo antagonicamente. De maneira geral, a pesquisa mostrou que o eleitor está com a visão de que o país está “bagunçado”, com “instituições confusas” e “falta de entendimento”.

No eleitorado mais bolsonarista, a narrativa do atual presidente reverbera e esse público culpa “imprensa” e “STF”, basicamente, pela atual “baderna” no Brasil. Mas há uma compreensão, entre os apoiadores de Bolsonaro, de que, ainda que seja “sincero” e “franco”, o presidente poderia “falar menos”, por exemplo. No eleitorado mais à esquerda, todos os dedos estão apontados para o presidente e ele é o culpado por tudo ou quase tudo.

Para a construção de uma eventual terceira via, o que importa é o pensamento do eleitor que se define como “moderado” e “de centro”. Estes dividem a responsabilidade sobre o atual momento do país entre Congresso e Palácio do Planalto.

Entre as mulheres, a pesquisa do DEM indicou que há uma rejeição considerável e crescente a Jair Bolsonaro. Segundo uma fonte do partido, quase 70% das eleitoras que participaram da pesquisa não querem votar no atual presidente.

No público evangélico, percebeu-se a confirmação de uma base de apoio a Bolsonaro, mas a fidelidade ao presidente varia a depender da escolaridade desse eleitor. Evangélicos com escolaridade mais alta tendem a não considerar Bolsonaro alguém que “preze pela família” ou mesmo um “cristão autêntico”.

Sobre a volta de Lula à cena política, a pesquisa indicou que muitos eleitores, com uma certa “nostalgia”, consideram o petista no páreo por associar os seus governos a um cenário de “comida no prato” e a um momento econômico mais pujante do país.

A pesquisa trouxe, ainda, a constatação de que os brasileiros temem o desemprego e, para a surpresa dos que analisaram os dados, não acreditam que a democracia brasileira esteja ameaçada. Há uma opinião forte, revelada pelos dados, contrária à participação de militares em governos — provavelmente uma influência do efeito Eduardo Pazuello.

O diagnóstico, na avaliação de caciques do DEM, é de que há um espaço a ser explorado, sobretudo, em um eleitorado que se diz apoiador da operação Lava Jato e que fala em “anular voto” caso a polarização entre PT e Jair Bolsonaro realmente se repita no ano que vem.

Fontes demistas afirmaram que a pesquisa deixou claro que há um público que votou em Bolsonaro em 2018 por repulsa ao PT, mas que se mostra “desiludido”. É essa faixa do eleitorado que se tentará seduzir, deixando de lado a busca de “conversão de já convertidos” ao bolsonarismo e ao petismo, acrescentou uma liderança do DEM."

O Antagonista

Viver é Perigoso

4 comentários:

wartão disse...

Quanta baboseira!!

Anônimo disse...

Seria bom uma 3 opção sem dúvida, mas com certeza o brasileiro vai querer o lula de novo se não for por bem, por sacanagem , coisa de brasileiro que não tá nem aí pro peixe....kkkkk

Edson Riera disse...

Wartão

Não perca o seu precioso tempo lendo isso.

Zelador

Anônimo disse...

Adoro pesquisas desde que sérias. Retrato do momento e possibilidade de planejamento.