domingo, 4 de abril de 2021

CANTINHO DA SALA

 


Edward Hopper - Night Windows, 1928 - Museum of Modern Art, New York

Viver é Perigoso

ALERTA AOS IDOSOS


Ao dormir, o corpo na horizontal facilita a circulação do sangue e o coração bate mais pausadamente. Se você acordar para ir ao banheiro urinar, não levante com rapidez, pois o sangue “esvazia” a cabeça e você pode ficar tonto e até mesmo desmaiar. Faça assim: retese bem as pernas, a partir dos pés, durante trinta segundos, para começar a acelerar os batimentos cardíacos. Sente na beira da cama, pausadamente, e fique quieto durante um minuto. Após este tempo, deite novamente porque já está todo mijado.

Claudio Tognolli

Solda

Viver é Perigoso

- ELE VIVE - OH ! DIA FELIZ

 Viver é Perigoso

THE WASHINGTON POST

 


O jornal norte-americano The Washington Post publicou um editorial na sexta-feira (2), afirmando que o presidente Jair Bolsonaro pode estar “mirando a democracia” e preparando um golpe político contra “os legisladores e eleitores que poderiam removê-lo do cargo”.

A publicação afirmou que as democracias dos Estados Unidos e da América Latina devem “deixar claro” que uma interrupção da democracia seria intolerável. O texto fala que o Congresso pode propor o impeachment de Bolsonaro “por sua péssima gestão da pandemia, incluindo minimizar sua gravidade, resistir às medidas de saúde pública e promover curas charlatanescas”.

“O presidente brasileiro já contribuiu muito para o agravamento da pandemia covid-19 em seu próprio país e, por meio da disseminação da variante brasileira, pelo mundo. Ele não deve ter permissão para destruir uma das maiores democracias do mundo também”.

O jornal disse que “não há fim à vista” para a onda de mortes e infecções pela covid no Brasil, graças à “impressionante incompetência do presidente Jair Bolsonaro e seu governo”.

Pois é... Washington Post, um jornal considerado de direita.

Viver é Perigoso

A CARTA MAGNA



Aconteceu às 15h50 horas do dia 5 de outubro de 1988. Os brasileiros passavam a ter uma nova Constituição, com novos direitos, depois de cerca de um ano e meio de discussões sobre o texto na Assembleia Constituinte.

Declaro promulgada a Constituição! 

Passou para a história o discurso do Dr. Ulysses Guimarães:

O documento da liberdade, da dignidade, da democracia, da justiça social do Brasil. Que Deus nos ajude para que isso se cumpra!", 

Em seu discurso, Ulysses advertiu que a recém-promulgada Carta não era "perfeita".

"Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca", declarou o presidente da assembleia. "Traidor da Constituição é traidor da pátria. Temos ódio à ditadura. Ódio e nojo. Amaldiçoamos a tirania onde quer que ela desgrace homens e nações. 

A vida pública brasileira será também fiscalizada pelos cidadãos. Do presidente da República ao prefeito, do senador ao vereador. A moral é o cerne da pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam".

Não roubar, não deixar roubar, por na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública. Não é a Constituição perfeita. Mas será útil, pioneira, desbravadora, será a luz ainda que de lamparina na noite dos desgraçados.

Termino com as palavras com que comecei esta fala: a nação quer mudar. A nação deve mudar. A nação vai mudar. A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança."

Viver é Perigoso

LONGE DA REALIDADE

 Élio Gaspari escreveu. Imperdível !

De Jango@edu para Bolsonaro@gov

Presidente,

Faz tempo, no dia de hoje, eu estava num aviãozinho Cessna pilotado pelo Maneco Leães, voando de minhas terras para Montevidéu. Pousamos, pedi asilo e só voltei ao Brasil, em 1976, morto.

Escrevo-lhe porque vi que o senhor já falou em estado de sítio, um deputado da sua copa tentou aprovar uma medida parecida e há no seu pelotão o interesse de montar um dispositivo militar.

Não tenho simpatia por vossa figura e sei que a recíproca é verdadeira. Mesmo assim, escrevo-lhe para contar minha experiência, porque ambos sentamos na mesma cadeira.

Estado de sítio, eu também tentei, em outubro de 1963. Parecia boa ideia e a Central Intelligence Agency disse ao presidente John Kennedy que o comandante do Exército e “a maioria dos militares provavelmente apoiariam as medidas fortes”. Estávamos enganados, a proposta do estado de sítio naufragou e tive que retirá-la.

Dias depois empossei na chefia da Casa Militar o general Assis Brasil. Desde o primeiro momento ele se dedicou a montar um dispositivo de apoio militar ao governo. Como ele trabalhava no palácio, era o único general que eu via todos os dias. Considerava seu dispositivo “imbatível”. No início de março de 1964 ele dizia que seu esquema “se não é perfeito, é pelo menos o melhor de quantos já se armaram neste país”.

No dia 30, o Tancredo Neves não queria que eu fosse à reunião de sargentos do Automóvel Clube, mas o general disse que eu devia ir. Quando o Mourão Filho se rebelou, o Assis Brasil achou que dominava a situação. Fomos juntos para Brasília e de lá para Porto Alegre. Aos poucos nos demos conta da gravidade da situação. O dispositivo do general só existia na cabeça dele. Na madrugada do dia 2 de abril, eu estava deposto. Para não ser preso, fui para São Borja e o general voou comigo.

Seguimos para um rancho perdido nas margens do rio Uruguai. Lá eu cozinhei um ensopadinho de charque com mandioca. No dia seguinte, há exatos 57 anos, voamos com o Maneco para Montevidéu.

Depois de desembarcamos, ele me disse: “Sou soldado e tenho de me apresentar. Não quero ser considerado um desertor. Vou avisar ao ministro da Guerra que vou voltar”.

O Assis Brasil voltou, ficou preso por três meses. Tempos depois, cassado, ele foi me visitar em Montevidéu, mas a Maria Tereza destratou-o e ele foi embora.

Outro dia, no churrasco de aniversário do Getúlio Vargas, o general Golbery me contou que, em 1980, quando estava na chefia da Casa Civil recebeu uma carta do Assis Brasil pedindo a transferência de um amigo para Porto Alegre. Foi atendido.

Eu nunca tentei entender como o general do meu palácio armou aquele dispositivo “imbatível”, mas acho que o senhor não deve pensar nesse tipo de armação. Eu aprendi que quanto mais perto do presidente uma pessoa está, mais longe da realidade ela vive.

Respeitosamente

João Goulart

Viver é Perigoso

VÍRUS ???


O site da Prefeitura Municipal de Itajubá - www.itajuba.mg.gov.br - está fora do ar desde ontem.

 Seria vírus ou não ?

Ou para poupar os leitores de notícias/números tristes na Páscoa ?

Viver é Perigoso

NÃO BASTASSE


A decisão do Ministro indicado pelo Bolsonaro, Nunes Marques, publicada neste sábado, proibiu que estados, municípios e o Distrito Federal editem normas de combate à pandemia que proíbam completamente celebrações religiosas presenciais.

Decisão de acordo com o que prega (êpa) o Presidente da República.

Bate de frente com a quase totalidade das decisões tomadas pelos senhores governadores e prefeitos.

Governadores e prefeitos têm os números nas mãos. Vagas em enfermarias e uti´s. Com as informações disponíveis têm a obrigação de buscar controlar as consequências da pandemia. Claro que levam também em consideração os aspectos econômicos.

O Ministro Nunes Marques, nem bem entrou no ônibus, como diria o Romário, e já quer sentar na janelinha.

Oremos com o firme pensamento que o nosso PAI está em todos os lugares.

Viver é Perigoso