quinta-feira, 25 de março de 2021

OH ! MINAS GERAIS


Seis vídeos obtidos pela reportagem do "Estadão" mostram pessoas sendo vacinadas, na noite de terça-feira (23), na garagem de uma empresa de transporte localizada em Belo Horizonte.

Segundo informações obtidas, 50 pessoas teriam recebido a primeira dose da vacina Pfizer. A segunda dose já estaria reservada. Só para a família e amigos.

Ficou barato. Cada vacinado teria pago R$ 600,00 pelas duas doses.

No passado, os mineiros pegaram fama por fazer as artes no silêncio. O telefone celular anda dificultando muito.

Em tempo, foi uma operação ilegal.

Viver é Perigoso

BREVIÁRIO DOS POLÍTICOS


"A marca mais reveladora da vilania, num homem, é que ele se contradiz com frequência. Saibas que um homem que se contradiz não relutará em te roubar."

Livro de aforismos e máximas do Cardeal Mazarin (1602-1661), foi escrito há 300 anos e não perdeu a atualidade. Fala da luta pelo poder, da dissimulação, do cinismo e da hipocrisia.

O Cardeal Mazarin foi sucessor do Cardeal Richelieu. Ao contrário de Richelieu, o Cardeal Mazarin, mente, falta com a palavra dada, demora para pagar as dívidas, é vil, desonrado e covarde, enfim, um italiano sórdido.

Viver é Perigoso









TURISTA

 

Viver é Perigoso

TOMOU O BARCO

 


A vida tem sido assim. Diversas pancadas e já meio grogue, um golpe mais forte nos atira na lona. Alguns segundos apagados e retorno lento à realidade. Ao longe a voz do juiz promovendo a contagem até o limite dez. Erguendo, ainda meio desarvorado, seguimos recebendo golpes menores e buscando ar.

Sustentados por boas lembranças. Risos, abraços e até de pequenas e temperadas discussões, que não acontecerão mais.

A pancada que nos levou novamente à lona hoje foi tomada de barco do Hélcio Andrade, o querido Tchê da Lenise. Pai das moças bonitas. 

Da Boa Vista, e´claro. Viviam em Belo Horizonte.

Amigo da infância, da adolescência, de quando jovens, e de já senhores.

Na lona, quietos e aguardando a contagem que nos permitirá recuperar o fôlego, erguer e seguir na luta.

Uma pessoa do bem. Para mim, desde a Copa do Mundo de 1958, simplesmente Kopa, que saiu do extraordinário craque francês, Raymond Kopa, como eu sempre o tratei.

Viver é Perigoso