quinta-feira, 18 de março de 2021

SENÃO, VEJAMOS

 
Procedentes comentário do Observador de Cena no Post "Números da Tragédia"

Zelador, permita-me alguns comentários

1- tem duas Guaxupé parece que a de baixo é que está com os números certos; (corrigido)

2- Por que São Lourenço está na crista da onda como símbolo de boa condução/números/tratamento? Temos outras cidades com população parecida e com menos mortes; Sta. Rita e Guaxupé por exemplo. Com calma esses números e outros de todo o país devem ser estudados; Doença nova, estamos aprendendo;

3- Como toda discussão no Brasil de hoje, se queremos que vingue a nossa tese só apresentamos os dados e os números que nos interessam; Muito triste.

4- Sobre outros comentários postados no blog só gostaria de contrapor mais uma vez: Se a doença se espalha de pessoa para pessoa como evitá-la sem o distanciamento social enquanto a solução final da vacina não chega?

5- Se a população não colabora qual é a alternativa senão medidas governamentais duras?

6- Ah chegar a imunidade de rebanho alguns respondem. Certo. Com o sistema de saúde colapsado? Com quantas mortes? Gostariam de estar no lugar de um médico na hora de decidir quem vai ser atendido e quem não? Eu não!

Observador de cena

Viver é Perigoso

BANDEIRA A MEIO - PAU


James Hall, foi um explorador inglês que esteve navegando pela Groenlândia. Em 1612 foi em busca da Passagem Norte, tendo sob seu comando os navios "Patience" e o "Heart´s Ease". No mês de julho encontrou com "inuits" (esquimós) e no entrevero foi atingido e morto por uma lança.
Ao entrar no Tamisa, no retorno à Inglaterra, dois meses depois, o  navio 'Heart's Ease' baixou a sua bandeira para sinalizar  luto pela morte do comandante .
Ficou registrado o termo "Half Mast" ou "Half Staff". No Brasil, bandeira à meia-haste, a meio-mastro ou a meio-pau.

Amanhã, 19 de março, comemora-se o aniversário de Itajubá. Consta da tradição, a cerimônia do hasteamento das bandeiras, Nacional, de Minas Gerais e a do Município.

Em consideração aos 186 itajubenses levados, até o dia de hoje, pelo coronavirus hoje, hastear as bandeiras a meio-pau, seria uma lembrança e homenagem.

Viver é Perigoso

SEI NÃO !


Deu no Diário de Itajubá:

Participando da reunião da Comissão Permanente de Saúde, Assistência e Promoção Social do Legislativo Municipal, indagado pelo relator, Vereador Markinhu Meireles, sobre a grande quantidade de óbitos em Itajubá, o vice-prefeito e Secretário da Saúde, Dr Nilo Bracho afirmou :

"Itajubá e Poços de Caldas têm uma característica: são cidades longevas, ou seja, a gente tem uma população grande de 80, 90 e até população centenária. Poços de Caldas tem essa característica também. Veja que o número de Poços aproxima de Itajubá".

Confirmado: Hoje (18/3), Itajubá conta com 180 com mais óbitos pela doença, com 180 registros e Poços de Caldas, com 150.

Blog: Não dá para entender bem. Ontem (17) foram registrados 5 óbitos em Itajubá. Pessoas com 47 anos de idade, 50, 57, 71 e 79. Na realidade, longeva aí só o a pessoa de 79. Todos os outros, em faixa de idade ainda longe de serem vacinados. Alguma coisa acontece.

Viver é Perigoso

DIÁRIO DO MOTORISTA DO UBER

 


07:15 Passageira entra apressada no carro. Olhos vermelhos, uma máscara descartável por cima de outra máscara de tecido. Isso eu nunca tinha visto.
– Moço lá no HC, meu pai morreu de COVID!
– Puxa moça… meus sinceros pêsames.
– Você sabe chegar por trás do hospital? Me falaram que o necrotério fica nos fundos.
– Sim, eu sei; é pela rua Padre Camargo. Vão deixar você entrar?
– Não sei, a assistente social falou que tem uma tenda lá, só para assinar a papelada e liberar o corpo pra funerária.
– Não tem ninguém pra ir com você?
– Não pode moço. Só deixam uma pessoa entrar na tenda. Minha irmã vai encontrar comigo lá, já saiu da casa dela, tá indo de UBER também.

07:33 Filas de carros funerários. A passageira desce, abraça a irmã, choro compulsivo. Sirenes de ambulância atrás de mim – subo com a metade do carro na calçada para dar passagem. Socorristas com cara de zumbi colocam uma pessoa que passou mal debaixo da tenda e empurram às pressas a maca para dentro da ambulância.
– Pra onde estão levando ela? Aqui não é um hospital?
– Não tem mais leito aqui. Estamos levando para o Cajuru. Entra aí. Ela é cardíaca? Tá 18/21 senão voltar vamos desfibrilar no trajeto.
Sirenes de novo. Saio da calçada, arranco o carro. Dou mais uma olhada pra trás e vejo a tenda balançar. Seria o vento ou mais alguém que caiu?

12:30 Outra passageira

– Moço, vai rápido: o pai do meu namorado acabou de falecer de COVID.
– Sinto muitíssimo moça, mas o endereço que nós vamos não é de nenhum hospital.
– Meu namorado tá em casa. De lá nós vamos para o hospital. Você leva a gente? Ele não vai ter condições de dirigir.
– Levo sim.
Chegou na casa, entrou apressada, saiu 3 minutos depois.
– Moço, pode ir. Não vamos para o hospital agora. Falaram pra gente ir mais tarde, tá muito tumultuado lá.
– OK, meus sentimentos.

19:00 Uma fumaça estranha toma conta das ruas. A última passageira do dia me olha assustada.
– Meu Deus! Que fumaça é essa? Que cheiro horrível de queimado!
– Estranho moça. Nunca tinha visto isso. Entra no google e procura por alguma notícia sobre manifestação, se estão colocando fogo para fechar alguma rua ou estrada!
– Descobri moço: é um incêndio florestal na região metropolitana!
– Nossa! Esse foi dos grandes!
Toca o telefone dela.
Um choro sentido e a passageira grita três vezes: não, não, não!
– Moço, moço… vou ter que mudar o trajeto. Minha vó morreu. Estava entubada com COVID, Vamos para o hospital agora. Vou encontrar com minha mãe lá
– Puxa moça sinto muito.
O carro corta a fumaça. cheiro de queimado aumenta.
Sirenes ao longe, nenhuma viva alma na rua, um carro funerário passa apressado, a luz do poste ao nosso lado se apaga.
A passageira me pergunta:
– Moço, será que é o fim do mundo?
Eu engulo em seco e não respondo nada.

Esse foi um um relato de como foi meu dia de hoje.
Niltão - Motorista de UBER
16 de março de 2021

Não consigo dormir!

Solda - Curitiba

Viver é Perigoso

NÚMEROS DA TRAGÉDIA

 


CidadeNº HabitantesMortesTotal de casos
Pouso Alegre152.5491088.193
Varginha136.6021366.927
Extrema36.951655.831
Poços de Caldas168.6411505.170
Itajubá97.3341805.136
Alfenas79.222984.562
Passos115.337863.908
Três Corações8o.032703.226
São Sebastião do Paraíso71.4451022.998
Três Pontas56.970502.842
Campo Belo54.186632.818




São Lourenço46.202472.515
Lavras104.783482.243
Santa Rita do Sapucaí 43.754301.418
Guaxupé51.911452.792
Viver é Perigoso

É ISSO AÍ !


“Personalidades Psicopáticas” é o título no Brasil do livro “Die Psychopathischen Persönlichkeiten”, de Kurt Schneider, psiquiatra alemão. A obra rendeu-lhe reconhecimento e a alcunha de “pai dos psicopatas”.

É ótima fonte para decifrar distúrbios de personalidade em tempos tensos, como os desta pandemia. 

Suas descrições tipológicas baseiam o diagnóstico de desvios de comportamento social, resultados da ausência de sentimentos de piedade, compaixão e altruísmo; da falta de valores éticos-morais; e da incapacidade de se reconhecer culpado. São indivíduos sem remorso e arrependimento.

Schneider destaca características de personalidades anormais. Carentes de compaixão, toscos em regra, anestesiados de senso moral. Frente ao sofrimento alheio, à morte de milhares de pessoas, não medem palavras. Não há ressonância afetiva com a dor alheia.

Por vaidade exagerada, se acham acima de tudo, de todos. Não toleram contrariedades: reagem com expressões grosseiras.

São agressivos, mal-educados e provocadores. Kurt Schneider menciona que esses sujeitos oferecem dificuldades particulares em circunstâncias militares. O desacato e a desobediência são marcas da carreira. A ​insubordinação/mau comportamento redundam em prisão, expulsão ou abandono.

Eles são pouco inteligentes. Schneider chama-os de “antissociais que, por regra, associam-se aos oligofrênicos”. A inteligência limítrofe ou seletiva leva-os a praticar atos bizarros, de turrice e teimosia. O foco: o benefício próprio. Se voltarem atrás, não é por reconhecer o erro, mas estratégia momentânea. Rancorosos e vingativos, em seguida, recidivam, até com virulência. São, por todo o quadro, de periculosidade social. Nada os detêm, salvo reprimenda enérgica, judicial e legal.

Kurt Schneider se refere a esses anormais com o termo psicopatia.
 
Em cargos públicos, interessa-lhes o poder para escoar as condutopatias em louvor a si mesmos. Como chefia, são tiranos. Egoístas, colocam a própria vontade e a autoridade acima das leis e da Justiça.

É comum a psiquiatras discordâncias sob uma mesma doutrina. Porém, todos admitimos que psicopatas (condutopatas ) não têm cura, já que a origem do mal é orgânica e irremovível. (Folha de São Paulo ).

Viver é Perigoso