terça-feira, 20 de abril de 2021

BEAU GESTE


Para garantir os empregos no comércio, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Contagem (CDL-Contagem) firmou acordo com o sindicato dos trabalhadores do comércio do município para a adoção de medidas que possam preservar os empregos e dar fôlego aos empresários durante o período de suspensão das atividades.

Dentre as medidas previstas no acordo, está a possibilidade de o empregador antecipar férias e adiar o pagamento do adicional de 1/3 para dezembro. Dessa forma, mesmo não trabalhando, o funcionário receberá o salário em abril, referente a março.

Também poderá ser formado um banco de horas negativas durante o período em que o comércio se mantiver fechado. O pagamento das horas, por parte dos funcionários, ocorrerá de forma gradativa após a reabertura das lojas, sendo as horas distribuídas a mais

O secretário-geral da União Geral dos Trabalhadores de Minas Gerais (UGT-MG), Fabian Schettini, explicou que o acordo firmado através do diálogo intermediado pela Prefeitura de Contagem é positivo para ambas as partes.

Também, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) enviou na terça-feira (16) ofício às instituições bancárias que operaram o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) solicitando a extensão do prazo para o início do pagamento dos empréstimos obtidos por meio do programa. A entidade está requerendo junto aos agentes financeiros a prorrogação da carência por mais três meses. Dessa forma, o período para início da quitação das parcelas passaria de oito para 11 meses a partir da data de assinatura do contrato. 

A entidade também solicitou apoio aos bancos num esforço conjunto junto à Câmara dos Deputados e ao governo federal para a rápida aprovação da nova fase do programa. No último dia 10, o Senado aprovou o Projeto de Lei 5.757/2020, que transforma o Pronampe em política oficial de crédito e dá caráter permanente ao fornecimento de recursos. 

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

Exemplos de como temos que nos virar sozinhos. Do desgoverno central não se espera mais nada. Só pensa em reeleição e proteção familiar.