domingo, 4 de abril de 2021

A CARTA MAGNA



Aconteceu às 15h50 horas do dia 5 de outubro de 1988. Os brasileiros passavam a ter uma nova Constituição, com novos direitos, depois de cerca de um ano e meio de discussões sobre o texto na Assembleia Constituinte.

Declaro promulgada a Constituição! 

Passou para a história o discurso do Dr. Ulysses Guimarães:

O documento da liberdade, da dignidade, da democracia, da justiça social do Brasil. Que Deus nos ajude para que isso se cumpra!", 

Em seu discurso, Ulysses advertiu que a recém-promulgada Carta não era "perfeita".

"Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca", declarou o presidente da assembleia. "Traidor da Constituição é traidor da pátria. Temos ódio à ditadura. Ódio e nojo. Amaldiçoamos a tirania onde quer que ela desgrace homens e nações. 

A vida pública brasileira será também fiscalizada pelos cidadãos. Do presidente da República ao prefeito, do senador ao vereador. A moral é o cerne da pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam".

Não roubar, não deixar roubar, por na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública. Não é a Constituição perfeita. Mas será útil, pioneira, desbravadora, será a luz ainda que de lamparina na noite dos desgraçados.

Termino com as palavras com que comecei esta fala: a nação quer mudar. A nação deve mudar. A nação vai mudar. A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança."

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

Não roubar e não deixar roubar...sei não nunca antes na história deste país se roubou tanto, dinheiro e etc, valores, moral, CANALHAS, CANALHAS, como cresceram e prosperaram as custas dos trabalhadores....