quinta-feira, 18 de março de 2021

DIÁRIO DO MOTORISTA DO UBER

 


07:15 Passageira entra apressada no carro. Olhos vermelhos, uma máscara descartável por cima de outra máscara de tecido. Isso eu nunca tinha visto.
– Moço lá no HC, meu pai morreu de COVID!
– Puxa moça… meus sinceros pêsames.
– Você sabe chegar por trás do hospital? Me falaram que o necrotério fica nos fundos.
– Sim, eu sei; é pela rua Padre Camargo. Vão deixar você entrar?
– Não sei, a assistente social falou que tem uma tenda lá, só para assinar a papelada e liberar o corpo pra funerária.
– Não tem ninguém pra ir com você?
– Não pode moço. Só deixam uma pessoa entrar na tenda. Minha irmã vai encontrar comigo lá, já saiu da casa dela, tá indo de UBER também.

07:33 Filas de carros funerários. A passageira desce, abraça a irmã, choro compulsivo. Sirenes de ambulância atrás de mim – subo com a metade do carro na calçada para dar passagem. Socorristas com cara de zumbi colocam uma pessoa que passou mal debaixo da tenda e empurram às pressas a maca para dentro da ambulância.
– Pra onde estão levando ela? Aqui não é um hospital?
– Não tem mais leito aqui. Estamos levando para o Cajuru. Entra aí. Ela é cardíaca? Tá 18/21 senão voltar vamos desfibrilar no trajeto.
Sirenes de novo. Saio da calçada, arranco o carro. Dou mais uma olhada pra trás e vejo a tenda balançar. Seria o vento ou mais alguém que caiu?

12:30 Outra passageira

– Moço, vai rápido: o pai do meu namorado acabou de falecer de COVID.
– Sinto muitíssimo moça, mas o endereço que nós vamos não é de nenhum hospital.
– Meu namorado tá em casa. De lá nós vamos para o hospital. Você leva a gente? Ele não vai ter condições de dirigir.
– Levo sim.
Chegou na casa, entrou apressada, saiu 3 minutos depois.
– Moço, pode ir. Não vamos para o hospital agora. Falaram pra gente ir mais tarde, tá muito tumultuado lá.
– OK, meus sentimentos.

19:00 Uma fumaça estranha toma conta das ruas. A última passageira do dia me olha assustada.
– Meu Deus! Que fumaça é essa? Que cheiro horrível de queimado!
– Estranho moça. Nunca tinha visto isso. Entra no google e procura por alguma notícia sobre manifestação, se estão colocando fogo para fechar alguma rua ou estrada!
– Descobri moço: é um incêndio florestal na região metropolitana!
– Nossa! Esse foi dos grandes!
Toca o telefone dela.
Um choro sentido e a passageira grita três vezes: não, não, não!
– Moço, moço… vou ter que mudar o trajeto. Minha vó morreu. Estava entubada com COVID, Vamos para o hospital agora. Vou encontrar com minha mãe lá
– Puxa moça sinto muito.
O carro corta a fumaça. cheiro de queimado aumenta.
Sirenes ao longe, nenhuma viva alma na rua, um carro funerário passa apressado, a luz do poste ao nosso lado se apaga.
A passageira me pergunta:
– Moço, será que é o fim do mundo?
Eu engulo em seco e não respondo nada.

Esse foi um um relato de como foi meu dia de hoje.
Niltão - Motorista de UBER
16 de março de 2021

Não consigo dormir!

Solda - Curitiba

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: