sábado, 26 de dezembro de 2020

REPÚBLICA DE JUÍZ DE FORA


Tomou o barco hoje (26/12), o Sr. Djalma Moraes (83 anos), aliado fiel do ex-presidente Itamar Franco e ex-presidente por diversos mandatos, da Cemig.

Quase desanimado de tentar colocar no mercado nacional um componente elétrico que iniciava a sua produção no Brasil por uma empresa espanhola, um amigo me sugeriu procurar o Sr. Marcelo Siqueira, presidente da Copasa, muito simpático e de acesso fácil.

Acontecendo e ouvindo-me, gentilmente o Sr. Marcelo Siqueira me colocou em contato direto com o Sr. Djalma Moraes.

Convencido da qualidade do produto, orientou que o mesmo fosse submetido a testes pela Cemig. O que aconteceu, obtendo a sua aprovação com louvores.

Participando de licitações da Cemig, o produto conseguiu entrar no mercado e a referência "Cemig" abriu as portas do mercado.

Consegui manter contatos esporádicos tanto com Marcelo Siqueira, como com Djalma Moraes, já então, com variantes políticas nas conversas.

Bons tempos.

Viver é Perigoso   

OLHA A VACA !


A vacina era uma grande novidade. Em 1796, na Inglaterra, o médico Edward Jenner observou que os camponeses que ordenhavam vacas infectadas e contraíam a varíola bovina - uma variação inofensiva da doença— por alguma razão passavam a sair ilesos dos surtos de varíola humana.
 
Para verificar se não se tratava de mera coincidência, ele decidiu retirar o pus das bolhas localizadas nas mamas das vacas doentes e inoculá-lo em cobaias humanas. O experimento teve o resultado imaginado. 

Jenner, assim, comprovou o poder protetor do pus infectado com a varíola animal.

O médico inglês batizou o pus terapêutico de “vacina”, uma derivação da palavra latina vacca. Na época, bastava dizer “vacina”, sem especificar a doença. 

Por muito tempo, a varíola foi a única enfermidade contra a qual existiu imunização.

Viver é Perigoso

ENTÃO É NATAL...

 

Viver é Perigoso