sexta-feira, 6 de novembro de 2020

LIVRO, PRESENTE DE AMIGO


Leitura obrigatória nesse momento crucial americano. "Estas Verdades" -  Jill Lepore - Editora Intrínseca - 1.063 páginas e em sua primeira edição.

Segundo Bill Gates, "o relato mais honesto, e mais bem escrito, que já li sobre a história dos Estados Unidos."

A história do pensamento político, a construção de sua vida social ao longo dos séculos e todas as suas contradições, os relatos de grandes personagens históricos a respeito das contigências, surpresas, decisões e ironias da construção do país, as experiências dos marginalizados, importantes abordagens a respeito de temas como democracia, tecnologia, mudanças demográficas, revoluções econômicas e a própria natureza da modernidade. "Estas verdades" já é um clássico e radiografa os Estados Unidos da cabeça aos pés. "

Imperdível.

Viver é Perigoso

PRÁ PENSAR


Quem manda nas cidades

" O eleitor debate com candidato a vereador o que ele pode fazer pelo município na Câmara Municipal? Ou debate as ações e projetos dos candidatos à Prefeito?
Salvo nas pequenas cidades, no geral ninguém discute nada.
Nos partidos políticos há debate? Também não. Partidos são caixinhas pretas comandadas por coroneizinhos.
Resumindo: as cidades não possuem canais democráticos. Dentro delas, os bairros nunca foram organizados para discutir pautas locais.
Há desproporção nas dimensões dos bairros – alguns são cidades dentro da própria cidade, e outros são micro bairros que equivalem a pequenas paróquias. Uns são ilhas de prosperidade, outros são bolsões de miséria sem serviços públicos essenciais.
As chamadas regionais também não têm canais de debate público.
Afinal, quem manda nas cidades?
Há quem diga que mandam as concessionárias dos serviços públicos, do transporte público, da coleta de lixo e o setor da construção civil (leia-se especulação imobiliária).
As grandes questões locais são tratadas em gabinetes, salas de diretoria e em conversas privadas.
As propostas que surgem nas eleições viram fumaça e são esquecidas, pois não se vinculam aos mandatos dos políticos.
Não há plebiscitos, nem referendos municipais, não há consulta popular, não há audiências públicas com caráter decisório.
A desculpa é que o “assembleísmo” não leva a lugar nenhum, de que o povo é ignorante.
A representatividade de vereadores e prefeitos nasce do carisma, do discurso de ocasião, do laço familiar tradicional, do rosto bonitinho e das propostas que, por vezes, iludem os eleitores.
Diferente dos países democraticamente evoluídos, nos quais há frequentes consultas populares por meio do voto, a democracia local nunca existiu no Brasil.
O bordão de que “o povo não sabe votar”, ecoa na vida política brasileira, contrária às consultas locais e nacionais.
O baronato local manda e desmanda e, apesar da sensação de democracia das eleições municipais, o povo não decide nada. "

Cláudio Henrique de Castro (Blog do Zé Beto)

Viver é Perigoso

E AGORA ?

 

Viver é Perigoso

POR OPORTUNO


Eu digo Geórgia, Geórgia
Uma canção para você
Vem tão doce e clara como o luar através dos pinheiros
Outros braços se estenderam pra mim mim
Outros olhos sorriram ternamente
Sempre em sonhos tranquilos eu vejo
A estrada que leva de volta para você
Eu disse Geórgia, Geórgia, nenhuma paz eu encontro
Apenas uma velha e doce canção
Mantém Geórgia na minha mente
Outros braços se estenderam pra mim mim
Outros olhos sorriram ternamente
Sempre em sonhos tranquilos eu vejo
A estrada que leva de volta para você

Viver é Perigoso