quinta-feira, 22 de outubro de 2020

NEGÓCIO DA CHINA



No dia 17 de setembro último, dando sequência na sua campanha política, o presidente Bolsonaro foi até a Paraíba para inaugurar a Usina Fotovoltaica Coremas III. Na cerimônia, Bolsonaro destacou a importância do investimento em energias renováveis no país e disse que o governo trabalha para garantir essas parcerias com a iniciativa privada.

O complexo de usinas é o maior de energia solar do país e pertence ao grupo privado Rio Alto Energias Renováveis, que iniciou seus projetos em 2011, a partir dos primeiros leilões públicos em que a energia solar foi inserida. A usina inaugurada na Paraíba usa inversores e soluções de inteligência artificial da chinesa Huawei.

Mais famosa por equipamentos de telecomunicações e pelas recentes controvérsias globais sobre o uso ou não de sua tecnologia 5G, a gigante chinesa Huawei avançou rapidamente no cobiçado setor de energia solar do Brasil, onde lidera no fornecimento de inversores solares, equipamento que recebe a energia dos painéis.

Em tempo:

Segundo a diretora de Digital Energy Business da Huawei do Brasil, Quanling Wang :

A companhia, que tem 30% desse mercado no Brasil, agora prepara o lançamento de baterias elétricas que podem ser associadas com sistemas de geração fotovoltaica. Para a Huawei, no entanto, a trajetória do Brasil nessa área está apenas começando.
“Esse setor ainda é muito pequeno em relação ao mercado total, se a gente falar em termos de matriz energética a parte solar representa menos de 2%. Então achamos que a indústria solar tem realmente um futuro muito brilhante no Brasil. A Huawei começou no final de 2016 o negócio de solar no Brasil e até agora, em três anos e pouco, já se tornou líder de mercado”, Usinas solares em operação ou em construção com inversores solares da Huawei somam cerca de 2 gigawatts em potência. O Brasil possui atualmente cerca de 3 gigawatts em capacidade instalada em grandes usinas solares, além de cerca de 3,8 gigawatts em sistemas solares em modalidade conhecida como geração distribuída – que envolve a instalação de placas fotovoltaicas em telhados ou terrenos para atender diretamente à demanda de empresas e consumidores. A Huawei não tem uma meta específica de crescimento nesse setor, mas quer seguir fornecendo, além de módulos, outras soluções como tecnologias que usam inteligência artificial (IA) para melhorar o desempenho dos ativos solares. A Huawei tem se preparado para lançar no Brasil em breve soluções com baterias elétricas, que podem ser associadas a painéis solares, por exemplo, para fornecer energia de forma ininterrupta. O primeiro lançamento, previsto para o próximo mês, será de uma bateria voltada a clientes residenciais, sob o nome de Luna 2000, que terá design modular e capacidade de até 30 kwh, com módulos de 5 kwh cada. Ela é feita de fosfato de ferro-lítio, normalmente usado em veículos elétricos, segundo a empresa, que deve importar o equipamento. No primeiro semestre de 2021, a Huawei prevê lançar no País baterias para aplicações comerciais, incluindo em grandes usinas de geração centralizada. A empresa está em conversas com uma universidade para fazer um laboratório de pesquisa e desenvolvimento (P&D) incluindo bateria, um P&D para energia solar no Brasil, mas o acordo ainda não foi fechado” -  (Reuters)

Blog: Itajubá perdeu o investimento da americana Siva Power (painéis fotovoltaicos), que provocou até a visita de 14 personalidades da cidade a São Francisco - Califórnia. Na época, um pessimista local (hoje seria chamado de comunista" questionou a competitividade dos americanos em relação aos chineses. Deu no que deu.
Chama a atenção a citação "de conversas com uma universidade brasileira para fazer um laboratório de pesquisa e desenvolvimento ". Seria a nossa Escola ? Se não for, está mais na hora de ir atrás.

Viver é Perigoso  

MOMENTO MÁGICO


CONTRATO Nº 083/2020 INSTRUMENTO CONTRATUAL PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA PONTO DE ATENDIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA, SITUADO À RUA CONSTANTINO ELIAS SARLAS, Nº 310, BAIRRO VILA RUBENS, ITAJUBÁ/MG, PARA ATENDER A SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE – SEMSA.

Nada com nada e tudo a ver.

Simplesmente emocionante abrir o site da Prefeitura Municipal de Itajubá, no segmento de contratos e deparar com o nome de um grande amigo e vizinho de quase toda a vida. Constantino Elias Sarlas, para aqueles que estão chegando agora, Cati.

Craque de futebol, mestre na fabricação de ladrilhos, junto com o Pai Sr. Elias, o Grego, Tio Jayme, também técnico do campeoníssimo Vasquinho, da Boa Vista, é claro, da Gleidi, Thales, Ludmila, Atanásio, Marina, Sócrates, Fátima e Dona Zulmira. 

Viver é Perigoso

CONTRACULTURA

Leary e sua mulher, Rosemary, com John Lennon e Yoko Ono

Timothy Francis Leary, estaria completando hoje (22/10/2020) cem anos. Americano, professor de psicologia da Universidade de Harvard, em 1960, então com quarenta anos, de férias em Cuernavaca - México, experimentou um pouco dos "cogumelos mágicos.

Ele, que nunca tinha sequer fumado maconha, teve uma experiência divisora de águas. Mais tarde, ele diria que, naquele momento, descobriu mais sobre o próprio cérebro e sobre psicologia que em 15 anos de pesquisa. 

Timothy Leary, ícone dos anos 1960, ficou famoso como um proponente dos benefícios terapêuticos e espirituais do LSD. O Professor Leary defendia os benefícios desta substância psicodélica.

Timothy Leary foi expulso de Harvard depois de ter promovido uma experiência psicotrópica com uma turma inteira de estudantes de psicologia (com o consentimento destes, naturalmente). Mais tarde, a administração de Nixon fez do Professor Leary um bode expiatório no seu ataque reacionário e conservador à contracultura que florescia nesse período, enviando-o para a prisão pela sua veemente posição contra a proibição do LSD.

Amigo pessoal de John Lennon - a canção "Come Togheter" dos Beatles é inspirada em Timothy Leary, e, no videoclipe de "Give Peace a Chance", pode-se ver o professor e a sua mulher de toda a vida, Barbara, junto à cama onde John Lennon protagonizou este hino de liberdade. 

Nos anos 1980, fascinado pelos computadores, Leary dedicou-se a este novo mundo, com imenso sucesso. Criou softwares de design, continuou a escrever livros e a fazer conferências. Embora o seu tópico principal fosse na época a tecnologia, ele ainda era reconhecido como o guru do LSD dos anos 1960.

Timothy Leary faleceu a 31 de maio de 1996, aos 75 anos, na sua própria cama, rodeado por amigos. O seu corpo foi cremado e, em outubro de 1996, as suas cinzas foram transportadas pela nave espacial Pegasus e libertadas no espaço com o auxílio de um satélite, juntamente com as de Gene Roddenberry, criador de Jornada nas Estrelas, e de outros cientistas e pioneiros em estudos aero-espaciais, tais como o físico da High Frontier Space Station, Gerard O´Neill, e Todd Hauley, professor da International Space University.

Blog: Vivi jovem a época da contracultura. Gostava e gosto das músicas e cantores/conjuntos daquele momento. Grateful Dad, Janis Joplin Jefferson Airplane, The Birds, Hendrix e claro, Beatles. Tive um colega e amigo experimentador de LSD. Contava suas experiências assustadoras.
Fiquei de longe. Hoje ando estudando aquele importante e criativo período.

Viver é Perigoso

CUECA A RIGOR

 


O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Néfi Cordeiro foi filmado sem calças durante videoconferência de sessão da 6ª Turma da corte na terça-feira (20). Cordeiro se levantou durante julgamento e não observou que câmera estava ligada.

É a vida...

Viver é Perigoso

VENTOS DE GUERRA


Em tempo de eleição, cartas anônimas contendo ofensas aos adversários marcaram época na terrinha. Até hoje tem gente que coleciona.

Os suspeitos, com justiça ou não, são sempre os mesmos.

Agora entraram na internet. 

Um grupo tentando atingir o outro, na esperança que aconteça o revide e questão desande com desgastes para as partes.

Atentem se algum dos seis grupos participantes da eleição ficar de "santinho" ou para disfarçar, ser objeto apenas de um fakezinho light para camuflar.

BO´s já foram feitos.

A desgraça é que nem os chefes têm controle sobre a tropa de choque digital, que quer mostrar serviço e podem botar tudo a perder.

Simples: Sigam a Chapa poupada.

Viver é Perigoso

O HOMEM DISPAROU ?


Viver é Perigoso

OS TEMPOS MUDARAM

 


Fui Cabo da PM, Pelotão Tigres da Mantiqueira, no 4º Batalhão de Engenharia e Combate. Não existia coisa mais importante que a hierarquia.

Estamos falando de pleno governo militar ou, segundo os comunistas, período da ditadura.

No mesmo cargo, prevalecia a antiguidade. Se o cara tivesse sentado praça 1 minuto antes de você, ele era superior e ponto final.

A patente máxima no quartel em Itajubá era Tenente-Coronel. E saiam debaixo quando ele estava no quartel. Até a bandeira era hasteada.

Seguiam: Major, Capitão, Tenentes (1º e 2º), Sub tenente, sargentos (1º, 2º e 3º), cabo e os soldados.

Pouso Alegre (sempre Pouso Alegre) já tinha general. A visita de um general provocava um rebuliço total. Uma semana todo mundo na faxina, ordem unida, lata de de nugget no coturno, kaol na fivela, barba e cabelo aparadíssimos. Ah ! Hino Nacional, Hino da Engenharia, da Bandeira, e outros, na pontinha da língua. 

Jamais imaginei uma enquadrada tão absurda, quanto a aplicada ontem pelo Capitão no General. Zoneou geral a hierarquia.

Castelo Branco era Marechal e Costa e Silva, Médici, Geisel, Figueiredo eram generais.

Sinceramente ? conhecendo um pouco o meio, imagino que isso não ficará assim.

Viver é Perigoso

IMPERDÍVEL


 Viver é Perigoso