quarta-feira, 21 de outubro de 2020

CORAGEM MOÇADA !


Li no jornal "O Sul de Minas", que os candidatos situacionistas, Christian e Nilo Baracho, recusaram-se a participar de entrevistas em emissoras de rádio independentes da cidade. 

Sempre estiveram presentes na Radio Futura, do prefeito Rodrigo Riera, certamente em ambiente acolhedor e sem nenhuma hipótese de serem surpreendidos por alguma pergunta fora do roteiro.

Deve ser instrução. Capacidade eles possuem, além de longa vivência no poder administrativo nestes últimos anos. Afinal, viram, ouviram e participaram de tudo.

Assusta, por que caso sejam eleitos (até se encrencarem com os atuais orientadores) continuarão sem encarar o dia a dia de uma democracia.

Caso questionados em uma entrevista, digamos assim, "não parceira", podem muito, em se tratando de passado, se fixarem no lago, no teatro e no restaurante popular e  propor discussões sobre o futuro.

Poderão esclarecer como sairão da pasmaceira do desemprego, do novo normal no relacionamento com a Santa Casa, no realinhamento da política ambiental e na instalação de uma política de transparência total.

Concedam uma entrevista coletiva para a Jovem, Panorama, Itajubá e jornais da cidade, com abertura para perguntas e vamos em frente.

Assistam o seriado Borgen na Netflix e vejam como é importante um espaço na mídia para mostrar e confirmar posição. 

Coragem Moçada. Os tempos serão outros.

Viver é Perigoso

ASSIM FALOU ZARATUSTRA


Eumir Deodato de Almeida, carioca de 1943. Pianista, arranjador e produtor musical brasileiro. Participou do movimento bossa nova no início da década de 60. Após breve carreira no Brasil, em 1967, mudou-se para Nova York, estabelecendo-se como arranjador e produtor musical na gravadora CYI Records, vindo a trabalhar nos discos de Tom Jobim, Walter Wanderley, Paul Desmond, Aretha Franklin,Frank Sinatra, Tony Bennett, Roberta Flack, Wes Montgomery e Ray Bryant, entre outros.

Em 1973 grava o seu primeiro álbum solo fora do Brasil e o resultado é Prelude, lançado pela CTI Records em janeiro de 1973.

O álbum surpreendeu a todos com uma versão jazzística e suingada da introdução de Also sprach Zarathustra, do compositor de música clássica Richard Strauss.

A canção, um poema sinfônico que havia tornado-se famoso ao ser largamente utilizada por Stanley Kubrick no seu filme de 1968, 2001: A Space Odyssey, atingiu o segundo lugar na parada de sucessos norte-americana e foi a 7ª mais ouvida no Reino Unido. Com isso, o álbum acabou vendendo 5 milhões de cópias, ficando em terceiro lugar na parada de sucessos de álbuns da Billboard e Deodato ganhou o Grammy de melhor performance instrumental de música pop no ano de 1974.

Deodato trabalhou em quase 500 discos, escreveu trilha sonora para vários filmes e recebeu diversos prêmios, entre eles 16 discos de platina, além do Grammy.

Viver é Perigoso

PREMEDITANDO O BREQUE

 


Aguardem fevereiro/2021, quando teremos a posse do Rodrigo Maia como ministro do governo Bolsonaro. E depois claro, dependendo do andar da carruagem, o "Botafogo", ou melhor, Rodrigo Maia, deverá ser o vice do capitão em 2022. O Mourão vai ser governador no Rio Grande do Sul.

Viver é Perigoso 

ARROUBOS JUVENIS

Tive um estimado professor de história. Professor Júlio dos Santos, na realidade, Francisco Júlio dos Santos. Cearense de Quixadá, por vários anos, Presidente da Academia Itajubense de Letras e um dos mais cultos e fluentes oradores desta cidade.

Professor Júlio (1901/1982), foi grande entusiasta do integralismo, foi um dos mais ardorosos defensores e propagadores da doutrina de Plínio Salgado. Rotariano de primeira hora.

No Colégio de Itajubá e no Estadual. Pessoa extraordinária que me fez gostar de história. Permitia discordâncias e debates. Raramente, ao contrário de outras matérias, quando fui no máximo sofrível, deixei de tirar nota máxima em história.

Respondia as questões de acordo com os seus ensinamentos e entre parênteses, de acordo com o que eu acredita e com conhecimento obtido de leituras extra-curriculares.

O ensino oficial, na, época, era totalmente elogioso para com as decisões norte-americanas.

Marcou profundamente a abordagem da "Doutrina Monroe".

Para os que estão chegando agora, a chamada Doutrina Monroe foi anunciada pelo presidente americano James Monroe em sua mensagem ao Congresso em dezembro de 1823.

Disse Monroe:

"Julgarmos propícia esta ocasião para afirmar, como um princípio que afeta os direitos e interesses dos Estados Unidos, que os continentes americanos, em virtude da condição livre e independente que adquiriram e conservam, não podem mais ser considerados, no futuro, como suscetíveis de colonização por nenhuma potência europeia "

Resumindo: "América para os americanos". Dizia não a criação de novas colônias na América, a não intervenção nos assuntos internos dos países americanos e a não intervenção dos Estados Unidos em conflitos relacionados aos países europeus como guerras entre estes países e suas colônias.

Sei lá, mas certamente influenciado pela leitura dos jornais assinados pelo meu Pai, desde então, via com preocupação o imperialismo ianque embutido. E discutia sobre, com o estimado Professor Júlio, que sempre demonstrou uma paciência enorme para comigo.

Continua me preocupando qualquer forma de imperialismo e sou um ativista contra a diplomacia do dólar e também, é claro, do rublo e do yuan /renmimbi. 

Viver é Perigoso

ANTA COM EVIDÊNCIA COMPROVADA


Por incrível que pareça, na terça-feira (20) o Brasil parecia um país relativamente normal. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou um acordo com o estado de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan. Ele ainda afirmou, em reunião com governadores , que iria incorporá-la ao Programa Nacional de Imunizações.

“A vacina do Butantan será vacina do Brasil”, disse Pazuello no encontro. “O Butantan já é o grande fabricante de vacinas para o Ministério da Saúde, produz 75% das vacinas que nós compramos.”

Durou pouco para ser verdade.

Nesta quarta-feira (21) pela manhã, o Jair Bolsonaro desautorizou Pazuelo

"NÃO SERÁ COMPRADA”, escreveu Bolsonaro em letras maiúsculas.

Viver é Perigoso

À DERIVA

 


Viver é Perigoso