sábado, 17 de outubro de 2020

AVANÇO DA MEDICINA


Li sobre a criação da escala de Dublin-Boston para avaliar o prognóstico da covid-19 em pacientes que estão com dificuldade de respirar.

Os médicos descobriram que se dividida a quantidade de IL-6 (interleucina-6) presente no sangue desses pacientes pela quantidade de  IL-10 (interleucina-10), se obterá um índice que prediz cm muita precisão o futuro daqueles pacientes. Esse índice é a chamada escala de Dublin-Boston.

Nessa escala, cada ponto corresponde a uma chance 5,6 vezes maior do paciente piorar. Além disso, quando usada no dia 4 da falta de ar, seu valor prediz com grande precisão como o paciente vai estar no dia 7.

Outra vantagem: essas duas interleucinas são facilmente medidas por laboratórios de análises clínicas  e, portanto, podem ser incorporadas na rotina dos hospitais.

Dentro em breve poderemos escutar:

- Meu tio está internado com covid-19, ele está bem e não estamos preocupados porque na escala Dublin-Boston ele está com nota 1, dificilmente ele vai piorar. Claro que se a nota for 3 a conversa será diferente.

A escala vai provavelmente auxiliar os médicos a escolher o melhor tratamento para cada caso.

Pequenos avanços que aos poucos vão reduzindo as mortes causadas pela covid-19.

Uma boa notícia.

Extraído da coluna do Fernando Reinach

Viver é Perigoso

UM POEMA, PORQUE HOJE É SÁBADO


 Viver é Perigoso

A SOLUÇÃO


Por ação deles próprios, ou melhor, inércia deles próprios, o Legislativo se tornou tão pouco valorizado no País. Nos municípios, vereador, com poucas exceções, tem virado objeto até de piada.

Por razão aparentemente simples: Não tem conhecimento de suas obrigações e de seus direitos. 

Alguns acham que eleitos, passaram a ser representantes de um bairro, onde residem e onde foram bem votados. Outros, representantes de um segmento. E o pior deles, acreditam ser assessores do prefeito, recebendo como troca, o "direito" de serem recebidos e atendidos pelos Secretários Municipais onde vão, como intermediários de eleitores, em busca de pequenos favores.

Tornam-se prisioneiros, deixando escapar um pouquinho do que resta da sua personalidade política.

Dominados, calam-se.

Depois de quatro anos, a remuneração recebida passa a ser importante no dia a dia. O que fazer no término do mandato ? Desespero na tentativa de reeleição ou esperar pela indicação de um cargo na nova administração, trazendo no currículo, não necessariamente capacidade, mas provas de lealdade do passado.

Muito pouco.

Daí a importância dramática da eleição de vereadores. Uma Câmara que passará a funcionar com 11 membros.

Amigos, conhecidos, ligados ao nosso candidato a prefeito ou não. A salvação e esperança das mudanças tão necessárias está em escolher um candidato preparado para o cargo. Personalidade definida e entendam, que estaria na altura para ser candidato ao cargo de prefeito. Afinal, Legislativo, Executivo estão no mesmo patamar.

Façam a experiência: pensem num nome que poderá ser o candidato a prefeito nas próximas eleições. 

Assim sendo, qualquer que seja um dos seis candidatos a prefeito eleito no próximo 15 de novembro, teremos um poder legislativo capaz, independente e atuante.

Basta de assistir uma maioria silenciosa aboletada durante quatro (ou até oito) anos, na antessala do prefeito ou abobalhada em camarotes de shows sertanejos patrocinados. 

A eleição da Câmara tem a mesma importância da eleição para Prefeito.

Desta vez, temos excelentes candidatos. Depende de nós.

Viver é Perigoso