sexta-feira, 31 de julho de 2020

TOMOU O BARCO


Agora já dá para comentar. Tomou o barco ontem o João Berti. Dá Boa Vista é claro. Pessoa alegre, espirituosa e presente. Foi com muita antecedência.

Família com presença marcante e definitiva na Boa Vista.

Viver é Perigoso 

NOVO NORMAL


Viver é Perigoso

MOMENTOS MÁGICOS



Viver é Perigoso

ENQUANTO ISSO...

Deu no Estadão :

Quase seis meses após decretar o estado de emergência pelo civid-19 no País, o Ministério da Saúde ainda guarda em seus estoques 9,85 milhões de testes, segundo documento internos da pasta aos quais o Estadão teve acesso.

O número é quase o dobro dos cerca de 5 milhões  de unidades entregues até agora pelo governo federal aos Estados e municípios. O exame encalhado é do tipo PT - PCR, considerado "padrão ouro" para diagnóstico da doença.

O principal motivo para os testes ficarem parados nas prateleiras do ministério é a falta de insumos usados em laboratório para processar amostras de pacientes. Isso porque, secretários de saúde locais, não adianta só enviar o exame, mas também é preciso distribuir reagentes específicos.

O governo federal comprou os lotes de exames, mas sem ter garantia de que haveria todos esses insumos, indispensáveis para usar os testes.

Viver é Perigoso

DUZENTÃO

Viver é Perigoso

CAPITÃO BOYCOTT

Capitão Boycott
Termo muito usado nos últimos tempos. Basta uma propaganda que contrarie algum grupo e desencadeiam propostas para boicotar um produto, uma empresa, um jornal e até emissoras de televisão. 

Como, imagino que todos saibam, boicotar é abster-se, é evitar, voluntariamente alguém, algum serviço, algum produto ou mesmo um local como uma forma de protesto. 

Mas, imagino também, que poucos saibam de onde veio o termo boicote.

O termo nasceu nas páginas do jornal “Times”, de Londres, em 1880, durante a cobertura do longo e rumoroso conflito político-trabalhista que tinha em seu centro Charles Cunningham Boycott (1832-1897).

Boycott era um capitão inglês reformado que administrava com pulso firme – firme demais, pelo visto – as terras de um nobre na Irlanda. Numa época marcada por violentos conflitos de classe, não demorou a ganhar fama de tirano.

O "gelo" a Boycott foi comandado pela Irish Land League, o sindicato dos trabalhadores rurais. O movimento se alastrou e, em pouco tempo, nenhum irlandês lhe vendia mais nada ou lhe prestava serviços de qualquer espécie. Até os carteiros aderiram.

A colheita nas terras administradas pelo odiado capitão foi feita – com atraso danoso – por trabalhadores trazidos de outras paragens e sob a proteção de centenas de soldados ingleses.

Poucos meses depois, sem ambiente, o boicotado Boycott deixava de vez a Irlanda para entrar na história – e nos dicionários. 

Viver é Perigoso