quarta-feira, 1 de abril de 2020

NEW YORK


Viver é Perigoso

TEMPOS COMPLICADOS


Na tempestade, disse um velho marujo, "só há uma coisa que se pode fazer - uma só: pôr o navio em determinada posição, e conservá-lo nela."
A razão nos pode ajudar; as experiências passadas não nos trazem luz. Até a oração parece não trazer consolo. Só resta um caminho. Temos que por a alma em determinada posição e ali ficar.
Temos que estar escorados no Senhor; e venha o que vier - onda ou vento, trovões ou raios, vagalhões ou rochedos perigosos - não importa o quê, nosso lugar é estar atado ao leme, na certeza que Deus é fiel; de que Ele assumiu um compromisso para conosco em Sua aliança; de que ele nos tem amor eterno em Cristo Jesus.

Richard Fuller 

Viver é Perigoso

NOSSA ESCOLA - BEAU GESTE


No dia 31 de março, a Universidade Federal de Itajubá, por meio do seu Instituto de Física e Química, doou frascos de álcool glicerinado para a Prefeitura Municipal, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros de Itajubá. A UNIFEI está diariamente trabalhando para ajudar a comunidade local no enfrentamento a pandemia da COVID-19, doença provocada pelo novo coronavírus.
O secretário de Saúde do município, Nilo César do Vale Baracho, e o representante da Polícia Militar, capitão Júlio Alves, estiveram na UNIFEI para receber a doação e ressaltaram a importância do trabalho conjunto entre o governo municipal, a Polícia Militar e a Universidade para que haja sucesso no combate a essa pandemia.
A produção desse primeiro lote foi executada pelos professores Fábio da Silva Lisboa, Geise Ribeiro e Maurício Silva dos Santos, pela doutora em Química Daniele Scheres Firak e pelos técnicos de laboratório Glauber Márcio da Silva Luz, Rodrigo Sebastião Henrique, Thaianne Esquierdo Silva e Werônica de Lima Furtado.

Viver é Perigoso

FALOU E DISSE !


Só trabalho com critério técnico e científico. Só trabalho com academia com o que é ciência. Agora existem pessoas que trabalham com critérios políticos. Não me ofende nada. 
Eu não proíbo reuniões de ninguém. As pessoas são livres para se reunir , para conversar. Querem trazer sugestão, seja  do lado A, do B, do C, tragam com ciência, pesquisa e referendado pelo Conselho Federal de Medicina, que é quem vê questão de medicamentos. 
A cloroquina só deve ser usada para tratar a Covid-19 em pacientes graves.
Esse remédio causa arritmia cardíaca. O coração em vez de bater certinho, ele sai do rítimo. Se a pessoa já tiver uma pequena obstrução, vai acabar tendo uma parada cardíaca. 
Não temos segurança para falar "pode usar a cloroquina todo mundo, que é bom". Enquanto não houver base científica, o medicamento só será usado nos hospitais, casos críticos, com acompanhamento médico.

Blog: Sobre reunião promovida, pelo Planalto, com médicos da área, sem o conhecimento do Ministro da Saúde.

Luiz Henrique Mandetta - Ministro da Saúde

Viver é Perigoso

BEAU GESTE



Produção de Máscaras 

Poços de Caldas

No Instituto Federal em Poços de Caldas, as máscaras são de acetato e serão distribuídas gratuitamente em unidades de saúde da região. Os equipamentos são confeccionados em impressoras 3D e, ao todo, 10 estão sendo utilizadas na fase de testes. Após a produção inicial de 30 máscaras, a meta de produção é fazer 1 mil em 10 dias.
“As máscaras têm sido denominadas como escudos faciais. Elas são um mecanismo mecânico que evita o contato dos profissionais de saúde a gotículas, saliva e fluidos nasais que possam atingir o rosto. Dessa forma, esses profissionais têm uma barreira física de proteção contra o contato direto com pacientes infectados pelo coronavírus”.

Lavras

A Universidade Federal de Lavras (Ufla) e a Unilavras, além de moradores da cidade, se uniram para a produção de máscaras de acrílico. As universidades cederam espaços, equipamentos e mão de obra de professores. Os alunos participaram da ação, que ainda teve doação de materiais por empresários e prefeitura.

Santa Rita do Sapucaí

Empresas de Santa Rita do Sapucaí (MG) e Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) também se juntaram para produção de máscaras de acrílico. As máscaras estão sendo produzidas pelo Inatel com materiais doados por empresários e doadas para o hospital da cidade.
Além das máscaras, também está sendo estudada a produção do avental impermeável, outro item indispensável e escasso para os centros de atendimento à saúde neste período. O Inatel colocou sua tecnologia, recursos e profissionais à disposição da comunidade para auxiliar nestas produções.

Viver é Perigoso

PRIMEIRO DE ABRIL

Viver é Perigoso

IMAGINEM COMPANHEIROS DO GRUPO DE RISCO


Coronavírus nos anos sessenta. 

Quarentena braba. Aulas da Engenharia suspensas. Colégios e Grupos Escolares sem aulas. 
Apolo, Presidente, Alvorada e Parotodos sem sessões de cinema. 
Bares Caçador, Café Hélio, Zé Matos, Royal, Pé de Porco, Acadêmico, João Tarciso Rubi, Silvio Pizarro, Sete Ouros, Zé Treze, Borelli, Fundão, Romano, todos fechados. 
Sem missas na Matriz e na São José. 
Sem footing na Praça.
Sem Pastelaria do Chinês, Hot Dog Uai, Sr. Edgar e Sapataria Silva.
Fábrica de Armas, Codorna, Amorim, de férias coletivas.
Nada de caminhadas na Rua Nova.
Televisão P&B, sem computador, sem celular e com pouquíssimos telefones fixos. Nada de Orelhões.
Sem namoros, sem abraços, sem mãos dadas, sem beijinhos roubados.
Encontros de olhares rápidos. Ela na janela e ele equilibrando-se numa bicicleta.
Republicas fechadas. Rapazes foram embora para casa. Moças internas do Colégio das Irmãs, idem.
Sem delivery, poucos carros, sem Face, sem What. Cartas, só cartas.
Sem álcool em gel, sem Hospital Escola. Samdu lotado.
Dona Lavínia sem aulas de bordado. Dona Ruth sem datilografia, piano e acordeon.
Sem Netflix, sem Amazon Prime e quase sem músicas.
Casa Joka, Liberty, Vera Cruz, Barateira, Bazar Fukaiama, Foto Santos, Bicicletaria do Zé Rosa,  Pernambucanas, Julinha, Dois Irmãos, Reny, Lucy e Dental com portas cerradas.
Sem futebol no campo do Vasquinho, sem natação na prainha do Sapucaí.
Construção de Brasília interrompida. Pelé e Garrincha gripados.
Clube Operário e Nova Aurora sem danças.  
Wenceslau sentado de cachecol na varanda.

Em 2020 estamos no paraíso.

Viver é Perigoso