quinta-feira, 26 de março de 2020

SÓ O VENTO SABE A RESPOSTA



Viver é Perigoso

ENTENDAM


Pra quem está comparando com sarampo, h1n1, dengue etc., Eu digo o seguinte...

Acho que não entenderam...

A quarentena não é pela saúde, não é pelo contágio, não é pelo número de mortes. 

Portanto parem de comparar com qualquer doença, ok ?

A quarentena é por causa da VELOCIDADE !

Nenhuma dessas doenças mataram mais de mil pessoas POR DIA e todo dia!

E a quarentena NÃO É por causa da quantidade rápida de mortos.

Entendam...

A quarentena é por causa da quantidade de leitos, médicos, equipamentos e remédios !

Se não nos isolarmos, teremos o colapso do atendimento, e pessoas terão que morrer em casa! Aos milhares. Diariamente.

Deu pra entender agora ?

Parem de comparar com qualquer coisa que vcs estão lendo e estudem a peste negra.

Daí sim vcs entenderão o que é dizimar um terço da população mundial...

Lucila Rodrigues

Viver é Perigoso

CURTIA, COMENTAVA E SALVAVA


Já tomou o barco, mas os mais antigos na Boa Vista, é claro, lembram-se muito bem do Sr. Amado. Homem conversador e nunca houve notícia que tivesse indisposto com ninguém. Leitor e re-eleitor da Seleções Reader Digest.

Aposentado da fábrica de tecidos Codorna, batia o pé na rua o dia todo. Puxava conversa, ouvia e concordava com as opiniões mais conflitantes. E tinha a mania de ouvir e repetir tudo.

Não é que não tinha personalidade. Era um ajeitador nato. Com o tempo, de boa, deixou escapulir as opiniões própria e passou a assumir o que lhe entrava pelos ouvidos.

Caso ainda estivesse entre nós  e conseguisse uma fugida da quarentena, certamente ele estaria dizendo, ou melhor, recitando, para quem lhe desse atenção.

Que nada, isso é uma gripizinha. Um resfriadinho comum, que não resiste a um escaldadinho bem temperado. O que ? Isso mata meu filho. Na Itália e na Espanha, terras dos meus avós, está acontecendo uma catástrofe. Não vai sobrar um com mais de cinquenta anos. Claro, se o pessoal não voltar a trabalhar o País vai quebrar. E de que adianta e economia rodar se o vírus chegar de uma vez e não tiver lugar para todo mundo nos hospitais. Também penso que se deva levar em consideração a lei da vida. Os mais fortes e capazes seguem. Simples: evolução das espécies. Agora, o presidente está certíssimo. Que fiquem em casa os idosos e os moços é que voltem para as atividades normais. Lugar de criança é na escola. Agora, concordo que a meninada seria uma boa transmissora do virús. Certo estão os governadores que estimam a importância da quarentena. E, pensando bem, a presidente é a autoridade máxima. Dele deverão sair todas as instruções. Não perco as notícias e os comentários da Globo. Maravilha e corretos, salvo que não sabem o que dizem. Uma emissora politizada que quer derrubar o governo. Os santos que nos livrem da volta da esquerda, muito embora, a saudade que sinto do Lula seja forte. Vacina eu não tomo e nunca tomei, mas passo lá no postinho de saúde só para cumprimentar o pessoal e quando vejo, já me picaram.  
De política eu não falo muito, mas gosto prá caramba desses gordinhos Maia e Alcolumbre. Homens ponderados, se bem que no Congresso não escapa um. Um bando de ratos e irresponsáveis. Os juízes do supremo são uns picaretas cheios de compromissos com quem os indicou e ainda bem que são todos politizados e tem uns do pt outros tucados, outros do centrão e uns dois ou três em cima do muro.

É a vida     

Viver é Perigoso

TENTANDO EXPLICAR


...Bolsonaro não é um jogador de xadrez e , por isso, é difícil assumir que seus atos sejam uma sequência de lances. Ele é um ser político intuitivo que reage a estímulos dados por um grupo restrito de "conselheiros" obcecados por posturas ideológicas que pouco passam de fantasias perigosas, à paranoia das "conspirações" e ao cálculo prático de quais vantagens políticas se oferecem no prazo mais imediato. 

No caso da crise do coronavírus, ele a enxerga como ameaça pessoal trazida pela deterioração provável (só se discute o tamanho) da economia e, consequentemente, dos seus índices de aprovação e chances eleitorais. Ocorre que, nessa competição para superar adversários eleitorais reais ou imaginários - governadores de Estado - , ele abriu uma fissura institucional de consequências políticas difíceis de serem antecipadas (só se discute o tamanho).

É o fato de que passaram a existir várias autoridades no enfrentamento da crise, em vários níveis da Federação. Sem que exista - além da formalização de comitês vários - uma liderança central que seria essencial para enfrentar o que vem por aí, em qualquer sentido. Ao contrário do que parecia supor Bolsonaro, o público dificilmente fará uma distinção entre quem disse o quê neste momento sobre como combater a crise.

"Quem tinha razão" vai importar muito pouco lá na frente, pois o País - parte-me o coração ter que dizer isso - já entrou na dupla catástrofe de saúde pública e de economia devastada. A questão da liderança surge mais uma vez como um peso negativo no enfrentamento de nossos problemas - faltaram lideranças consequentes em todos os graves episódios e , sobretudo, lideranças com visões além dos seus interesses políticos mais próximos."

William Waack

Viver é Perigoso

SINCERAMENTE ?



JÁ ERA !

Viver é Perigoso

LEITURA OBRIGATÓRIA


Leitura obrigatória o texto completo publicado hoje no imperdível (e econômico nas postagens) blog www.aleivosiascomlimao.blogspot.com , aqui de Itajubá, é claro.

Aí vai um trecho como aperitivo. 

"...Falo, falo, e não sei bem por que estou dizendo tudo isso. Agora me lembro. Eu disse algo parecido, ontem, num sarau de grã-finos. Não achem graça. Aprende-se muito no grã-finismo, e repito: — certos grã-finos têm um sutil faro histórico, diria melhor, profético. Sentem, por vezes, antes dos outros, o que eu chamaria «odor da História». E um desses estava-me dizendo, num canto, com uma convicção forte: — «Vai haver o diabo neste País.» O que era pouco para a minha fome. O grã-fino punha mais gelo no copo. Insinuou: — «Há muita insatisfação.» Ainda era pouco. E eu queria saber, concretamente, o que vinha por aí. Perguntei: — «Sangue?» E o outro, cara a cara comigo e um ar de quem promete uma hemorragia nacional inédita: disse e fez um «suspense». Instiguei-o: — «O diabo, como?» E ele, misterioso: — «Você não sente que vem por aí não sei o quê?» Esse «não sei o quê»— «Sangue.»

Todavia, o «suspense» continuava. «Sangue», dissera ele. Mas, quem ia derramar o sangue, e que sangue? Ainda olhei para os lados, como a procurar, entre os convidados, um possível Drácula. Quando, porém, o grã-fino falou em «esquerda», a minha perplexidade não teve mais tamanho. Recuei dois passos, avancei outros tantos e perguntei: - «Você acredita na nossa esquerda? Nessa que está aí?»
Ele acreditava. Então perdi a paciência e falei sem parar. Quem ia mudar alguma coisa neste País? A esquerda tem um canalha para exercer uma liderança concreta e proveitosa? Senhoras entraram no debate. Fez-se, ali, uma alegre pesquisa de pulhas.

Mas os canalhas lembrados eram, ao mesmo tempo, imbecis. E o que a História pedia era um crápula com seu toque de gênio. Em suma: não ocorria aos presentes um nome válido. A última palavra foi minha. Disse eu mais ou menos o seguinte: — enquanto a esquerda que aí está não for substituída até seu último idiota, não vai acontecer nada, rigorosamente nada."

Nelson Rodrigues - "O Homem Fatal"

www.aleivosiascomlimao.blogspot.com

Viver é Perigoso

A UM PASSO DO PARAÍSO


O presidente Jair Bolsonaro ampliou a lista de serviços considerados essenciais durante o período de restrição de circulação no país. Em decreto publicado hoje, ele inclui nessa lista templos religiosos e lotéricas....

Viver é Perigoso

CIVILIZAÇÃO

Viver é Perigoso