quinta-feira, 23 de julho de 2020

SOB A LUZ DE VELAS


"A qualquer instante,
Todos os sólidos se dissolvem, nenhuma roda gira,
E os fatos não tem duração -
E quem sabe se é por desígnio ou pura inadvertência
Que o Presente destrói sua herdada presunção "

W. H. Auden

Viver é Perigoso

2 comentários:

Anônimo disse...

BLUES FÚNEBRE
Detenham-se os relógios, cale o telefone,
jogue-se um osso para o cão não ladrar mais,
façam silêncio os pianos e o tambor sancione
o féretro que sai com seu cortejo atrás.

Aviões acima, circulando em alvoroço,
escrevam contra o céu o anúncio: ele morreu.
Pombas de luto ostentem crepe no pescoço
e os guardas ponham luvas negras como breu.

Ele era norte, sul, leste, oeste meus e tanto
meus dias úteis quanto o meu fim-de-semana,
meu meio-dia, meia-noite, fala e canto.
Julguei o amor eterno: quem o faz se engana.

Apaguem as estrelas: já nenhuma presta.
Guardem a lua. Arriado, o sol não se levante.
Removam cada oceano e varram a floresta.
Pois tudo mais acabará mal de hoje em diante.

Edson Riera disse...

Auden

Mágico e assustador.

Zelador