sexta-feira, 10 de julho de 2020

PAZ E AMOR


Entendendo a filosofia do "Gabinete de Ódio "

Quando era deputado federal, Jair Bolsonaro transformou o fuzilamento do então presidente Fernando Henrique Cardoso em verdadeira obsessão. 
Algumas das frases de Jair Bolsonaro: 

“O governo militar deveria matar pelo menos 30 mil, a começar por Fernando Henrique”, 

“o erro do governo militar foi não fuzilar o Fernando Henrique”, “defendo o fuzilamento do presidente”.

A mesma atitude pôde ser observada em entrevista de setembro de 2015. 

Questionado se a então presidente Dilma Rousseff concluiria o segundo mandato, até o final de 2018, Jair Bolsonaro respondeu:

“Espero que o mandato dela acabe hoje, infartada ou com câncer, ou de qualquer maneira”.

Mais recentemente, em relação a dezenas de milhares de óbitos pelo covid-19 :

"E daí ? "

Em tempo:

O Facebook anunciou ontem (8/7), que derrubou uma rede de contas e perfis falsos ligados a integrantes do gabinete do presidente Jair Bolsonaro, seus filhos, ao PSL e aliados. Foram identificadas e removidas 35 contas, 14 páginas e 1 grupo no Facebook e 38 contas no Instagram. O material investigado pela plataforma identificou pelo menos cinco funcionários e ex-auxiliares que disseminavam ataques a adversários políticos da “famiglia”. Nessa lista está Tércio Arnaud Thomaz, que é assessor do presidente e integra o chamado “gabinete do ódio”, núcleo instalado no terceiro andar do Palácio do Planalto.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: