quinta-feira, 23 de julho de 2020

LIVRO, PRESENTE DE AMIGO


No dia 19 de setembro de 1985, às 07:20 da manhã aconteceu um Sismo da Cidade do México. Alcançou a magnitude de 8,1 a 8,3 na escala Richter. Deixou cerca de 45.000 mortos.

Fiquei preocupado ao ouvir a notícia no rádio do carro, quando ia para o trabalho em São Paulo. Um amigo estava na Cidade do México a trabalho. Comunicação dificílima. Algumas horas após, a sua família informou que tudo estava bem com ele.

Alguns dias depois almoçamos juntos em São Paulo e ele comentou.

"Estava me barbeando no apartamento de um hotel no centro da cidade do México, quando ouvi um ruído jamais ouvido. Um som profundo, aterrorizante vindo das entranhas da terra. De pijama disparei-me escada abaixo e só fui parar quando no meio da avenida."

Ontem à tarde, um som estranho abateu-se sobre Itajubá e cidades vizinhas. Susto geral e ainda não totalmente identificado. Comenta-se sobre a quebra da barreira de som por um jato da Força Aérea. Pode ser.

Sobre o tema, para quem gosta, um livro sensacional. "Krakatoa - O dia em que o mundo explodiu" do Simon Winchester. Segundo o The New York Times, um dos melhores livros já escritos sobre a história e o significado de um grande desastre natural.

Em 1883, a violenta erupção do vulcão indonésio de Krakatoa riscou do mapa a ilha que o abrigava e deixou em seu rastro 36.000 mortos. Os efeitos da explosão foram sentidos na França; barômetros em Bogotá e em Washington enlouqueceram; o estrondo foi ouvido na Austrália e na Índia. Gigantescas ondas provocadas pela erupção. A atmosfera da terra encheu-se de poeira por anos.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: