segunda-feira, 29 de junho de 2020

OUTROS TEMPOS


Itajubá já teve uma presença forte na indústria da tecelagem. Além da Codorna, na Boa Vista, teve a fábrica de morim (um pano leve e fino de algodão) , no Bairro da Varginha . O atuante sindicato dos tecelões teve sede própria no Bairro do Estádio. O famoso Stift.

Presença constante, no início dos anos 60 na cidade, do Deputado Sinval Bambirra, do PTB e apoiador do destituído em 1964, presidente João Goulart .

Com a revolução, aconteceu na terrinha uma caça as bruxas. Dirigentes do Sindicato foram presos e alguns, inclusive torturados.

Sinval Bambirra, nascido em 1933 em Betim, foi tecelão, presidente de sindicato e da Federação dos Tecelões em Minas Gerais.

Foi eleito deputado em 1962 e cassado pelo golpe militar. Perdeu o seu mandato no dia 8 de abril de 1964. 

Foi preso, julgado e condenado a 17 anos de prisão. Ficou na cadeia por 15 meses e por força de um habeas corpus, obteve liberdade provisória, mas foi alertado de que, em pouco tempo, seria preso novamente. O ex-deputado já se encontrava muito debilitado, a essa altura já havia perdido a audição. Viveu três meses na clandestinidade.

Por interferência do então deputado federal José Aparecido de Oliveira, conseguiu asilo político junto a embaixada mexicana e saiu do País em 31 de dezembro de 1965, com a sua esposa Maria Auxiliadora. Do México, a família seguiu para a Alemanha Oriental. 

Viveram por 15 anos fora do Brasil.

Retornando ao Brasil após a anistia, dedicou-se a reconstruir o trabalhismo, apoiando Leonel Brizola.

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais, aprovou em 1994, o projeto de lei de autoria do então governador Hélio Garcia, concedendo pensão especial a Bambirra, acontecendo a restituição simbólica do seu mandato.  A Assembleia reconheceu por meio da Lei 11.732, que a cassação do mandato do parlamentar teve motivação exclusivamente política e ideológica.

De alguma forma, ele pôde vivenciar o seu desejo de justiça antes de vir a falecer, o que aconteceu dois anos depois, em 2003".

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: