domingo, 21 de junho de 2020

21 DE JUNHO DE 1970


Parece que foi ontem, mas já lá vão 50 anos. O Brasil parou nos 4 x 1 contra a Itália, trazendo definitivamente a Taça Jules Rimet. Mas, para não fugir as regras, o troféu foi roubado e derretido.

Com grandes amigos da nossa Escola de Engenharia, estivemos no Rio de Janeiro (viagem com a Kombi lotada) no jogo de classificação da nossa seleção. 31 de agosto de 1969, com Maracanã recebendo o maior público da história. Recorde que nunca mais será batido: 183.341 pessoas. Brasil 1 x Paraguai 0 - Pelé, é claro.

Na Copa, o Brasil estreou contra a Tchecoslováquia no dia 3/6/70, uma quarta-feira, às 18 horas (do Brasil). Levou um gol de cara, mas tranquilamente reagiu e fez 4x1. Assisti com meu Pai e irmãos na Boa Vista, é claro.

Meu Pai marcou o lugar de todos na sala e disse: deu certo e continuaremos assistindo a Copa assim. Cada um no seu lugar.

7/6 - Domingo, Brasil X Inglaterra às 14 horas. Descuidado, fui assistir na cada do Zezé Barbatana da Dona Ivone (Darly) na Avenida. Um sufoco. 1x0  para o  Brasil. Levei a maior bronca do meu Pai por ter quebrado a rotina.

10/6 - Quarta-feira, às Brasil 3 x Romênia 2 - Com três no placar, a seleção deu bobeira e a Romênia fez dois. Todos na mesma posição na sala de casa.

14/6 - Domingo, às 14:00 horas, Brasil 4 x 2 Peru. Tranquilo e todos no seus lugares.

17/6 - Quarta-Feira, 18:00 horas, Brasil e Uruguai. O maior sufoco. Estava 1x0 para o Uruguai, com uma modificação assistindo na arquibancada da sala: presença do grande amigo da família, Rev. Mário Lício. Todos calados. Coincidentemente, com a saída do Reverendo, o Brasil virou para 3x1.

21/6 - Domingo, 14:00 horas, Brasil 4 x 1 Itália. Festa. Alegria geral. Todos se abraçando no tapete da sala.

Já lá vão 50 anos.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: