domingo, 10 de maio de 2020

OH, MINAS GERAIS !


Um ano e meio de Novo, ou melhor, de Zema, e a situação das contas públicas de Minas Gerais beira o caos. 

E vem conversa...ah, mas o rombo deixado pelo Pimentel, que por sua vez deve se justificar dizendo, ah, mas o buraco deixado pelos tucanos...

Segundo publicado na imprensa, o governo mineiro ainda não quitou o 13º salário do ano passado. Dizem que até o dia 15/5 irão pagar o salário de abril para o pessoal da segurança e saúde. Para os demais, sem previsão.

Em tempo, a folha líquida de pagamento de Minas chega a R$ 2,8 bilhões.

O governo esperava um aumento de arrecadação para este ano, de 9%. Em abril a queda foi de 20% e em maio espera-se um recuo de 40%. Complicado.

Também anunciado (e aprovado) o envio de R$ 3,4 bilhões como socorro do governo federal. Desse total, R$ 3 bilhões podem ser usados fora da saúde. Claro, que virá, como programado, em 3 parcelas.

Explica-se as demonstrações de apoio do governador Zema ao presidente Bolsonaro. A ajuda, mesmo difícil, só poderá vir de lá. O projeto de venda do Nióbio está parado.

Zema, com seus posicionamentos políticos, contrários ao da direção do seu partido (Novo), caminha para ser convidado a mudar de time. Mais um bom nome para o Dem.

Viver é Perigoso     

Um comentário:

Anônimo disse...

Levou um ano e meio para o Novo expulsar o ministro do meio ambiente por contrariar diretrizes partidárias. Esses são os partidos brasileiros. Um aglomerado de interesses particulares e de grupos. Com a crise a dita reforma política, seria a número 1, foi para as cucuias. A negociação de cargos do governo com o dito centrão segue a todo vapor. Promessas? Que promessas de uma nova política?