segunda-feira, 6 de abril de 2020

JUÍZO MOÇADA !


Não é a primeira vez que a cloroquina é testada em doenças causadas por vírus. Ela realmente é capaz de proteger células cultivadas em laboratório do ataque de vírus. Por isso, cada vez que surge uma nova doença viral, corremos para a cloroquina, na esperança de que vá funcionar também em humanos.

O medicamento é muito bom para malária e para doenças autoimunes, mas requer cuidado pois pode afetar coração, olhos e fígado, e tem um longo histórico de decepcionar cientistas.

Nem tudo que funciona bem em células cultivadas em tubos de ensaio funciona em animais ou pessoas. Isso acontece porque as condições no organismo são bem diferentes das de laboratório.

A cloroquina já foi testada em animais e/ou humanos, e não funcionou contra influenza, dengue, zika, nipah vírus, chicungunha, ebola e SARS. Para chicungunha, o remédio inclusive aumentou a contagem de vírus e a febre, quando testada em macacos.

O placar, até agora, está sete a zero para os vírus. Não há, ainda, nenhum registro de uma única virose onde o tratamento com cloroquina tenha dado certo.

A cloroquina já mostrou funcionar muito bem – em células de laboratório – para a Covid-19. E, por enquanto, é tudo o que podemos afirmar.

A cloroquina funciona em células, mas já vimos que isso não garante nada. Se um teste bem conduzido mostrar bons resultados em humanos, que nos permita tirar conclusões sólidas, ainda precisaremos determinar coisas como a dosagem e as contraindicações.

Sem isso, correremos risco muito concreto de causar mais mal do que bem, por causa dos efeitos colaterais, e só percebermos quando for tarde demais.

Natália Pasternak

Viver é Perigoso

8 comentários:

Anônimo disse...

É só o Bozo ajoelhar e o pastor benzer que o negócio funciona!

Anônimo disse...

E de pensar que tem um vereador evangélico que fica 24 horas por dia no facebook defendendo o ídolo dele e dizendo, sem nenhuma base cientifica, que esse "remédio é milagroso.

Anônimo disse...

Parece q este negocio do Bozo ajoelhar da mais certo do que aquele q batia um bumbo e bebia uma cachaca 51, pelo menos nao virou ladrao ainda, ate q ta ruim mas ta bão, nao adianta

Anônimo disse...

Qual pastor?aquele que foi condenado junto com o prefeito fazendo campanha em reuniões dentro da igreja ?ou o bispo que recebeu cargo. De confiança para bajular o prefeito com os fies ?

Anônimo disse...

Querem apostar que a China vai lançar um medicamento milagroso, por este motivo a Grobo está detenonado a cloroquinina.
Notaram que não falam mais no número de pacientes que foram curados, só em Nova York foram curados os 900 que fizeram o teste. O problema é que a orientação da OMS é para usarem em pacients em estado grave quando não tem mais esperança de cura, aí já é tarde. Tudo planejado para detonar o remédio.
O problema é que os laboratórios não deixam que usem a cloroquinina que foi inventada em 1953 e a patente já caducou, querem que usem seus remédios. O dinheiro envolvido é muito alto para deixarem um remédio barato ser usado.

Edson Riera disse...

Camarada

Nesses tempos complicados e de tantas informações, no caso, busco posições de especialistas. No caso, converso e leio os trabalhos da Dra. Rachel, Doutora e Professora da Escola Paulista de Medicina, especialista da cadeira "Medicina por Evidências". Ela também é coordenadora no Hospital Sírio Libanês, de pesquisas na área.
Em trabalhos publicados, a Dra confirma que o remédio é promissor e estudos avançam para a comprovação, mas, entretanto, ainda não existem evidências médicas comprovadas de sua atuação contra o novo coronavírus.
Existe riscos do uso sem ser com total e próximo acompanhamento médico.
Trabalham em busca da esperada confirmação, bem como trabalham com a experiência da utilização do plasma. Em tempo, quase não falamos, pois há uns 30 dias, ela e equipe trabalham 24 horas/dia na questão.

Oremos para que a cura de tão insidioso mal esteja próxima. Em tempo, a Rachel Riera é
minha filha e formada na Faculdade de Medicina de Itajubá.

Zelador

Anônimo disse...

A questão de um novo remédio é assim. Tem protocolos. Qual a droga milagrosa que serve para uma coisa e saiu assim da noite para o dia servindo para outra? 99% dos infectologistas dizem que ela é promissora mas os efeitos colaterais são enormes. Efeitos da crise que obscurecem nossa inteligência e confiança na ciência além de ver conspiração e interesses econômicos/financeiros em tudo. Acho que a vacina sai antes.

Anônimo disse...

Parece q este negocio do Bozo ajoelhar da mais certo do que aquele q batia um bumbo e bebia uma cachaca 51, pelo menos nao virou ladrao ainda, ate q ta ruim mas ta bão, nao adianta

Não virou ainda...Já chegou sendo...E o laranjal, Queiroz, Adriano, rachadinhas, etc.