domingo, 22 de março de 2020

EXPLODE CORAÇÃO


Concordo que a imprensa em geral anda pegando (desde às vésperas das eleições presidenciais em 2018) com vontade nos pés do Bolsonaro, filhos e em alguns membros do governo.

Para quem não gosta de dirigismo foi fácil. Depois de séculos cancelei a assinatura do Jornal "Folha de São Paulo". Leio alguns cronistas e reportagens, pela internet. Desde o final de 2018 não assisto nada da Globo News e há uns 10 anos, sequer ligo a Globo com sinal aberto.

Uma Opção. 

Da mesma forma, leio pela internet alguma coisa do "O Globo". Simplesmente, não me aporrinho.  

De maneira alguma leio alguns sites, revistas (Carta Capital), etc. Têm outros interesses além das notícias.

Tenho aprendido, mesmo depois de velho, a ler, pensar e respeitar, mesmo que parcialmente, opiniões contrárias. Aceito até discutir idéias, exceto, comunismo, nazismo, fascismo, ou qualquer outra forma de autoritarismo. Tenho posição sobre temas polêmicos que envolvem a sociedade, porém não as discuto.

Estou de quarentena, mas de forma alguma de quarentena quanto às ideias. Não creio que seja fácil, mas estou dispostos a mudá-las .

Vejo, desde as eleições passadas, um certo exagero e até desconhecimento mínimo nas manifestações, que pretendem ser políticas, no Facebook. A  chamada Rede se transformou num reduto de radicais.

Culto a pessoas é um caminho rápido para a desilusão. Aconteceu com o  Collor, com o Lula e já está acontecendo com o Bolsonaro.

Nesse momento inimaginável em que vivemos, cheio de incertezas, desconhecimento, temores fundados no presente  e no futuro, tem nos faltado no controle do leme, uma liderança, firme, serena, que agregue forças e transmita confiança. Não estamos tendo.

Nos últimos meses, nada do foi afirmado pelo Presidente e familiares (que não deveriam nem estarem próximos), deixou de ser corrigido e/ou desmentido. Uma insegurança absoluta, que tenta transformar os questionamentos, para questões pessoais. 

Triste, "eu contra eles".

É sabido que parte dos milhões de votos que elegeu esse governo, veio de eleitores que não aceitavam mais o descalabro que assolava o País. A vitória foi provocada pela perspectiva de mudanças (que vem acontecendo em diversos setores), somada ao extraordinário desempenho da Lava-Jato.

Uma equipe de alto nível foi montada. Mérito para o Presidente. Enfrentamento com os outros poderes (ainda sem sucesso) necessárias.

Crises como a que estamos começando a viver, o baque que todos sofreremos, a necessidade posterior de uma quase reconstrução nacional, exigirão muito mais que bananas, "lives" estranhas e inoportunas e a difusão por grupos especializados, de verdades internetianas de corruptos derrotados e em fase acelerada de esquecimento popular.

Exigirão grandeza. 

Viver é Perigoso
       

3 comentários:

Anônimo disse...

"...desconhecimento, temores fundados no presente e no futuro, tem nos faltado no controle do leme, uma liderança, firme, serena, que agregue forças e transmita confiança. Não estamos tendo."
O problema como visto chama-se presidente. O homem, INFELIZMENTE, é ruim de diagnostico e de percepção das coisas. Vi hoje a máxima de uma das muitas inteligências nacionais. Professor Mari Henrique Simonsen: "“Formulado de maneira correta, o problema mais difícil do mundo um dia será resolvido. Formulado de maneira incorreta, o problema mais fácil do mundo jamais será resolvido”.

Anônimo disse...

O nosso povinho gosta de ficar o tempo todo ligado no governo, municipal,estadual e federal, somos pequenos, não existe grandeza mfu camarada, é muito triste, não crescemos de jeito nenhum.

Anônimo disse...

O Brasil precisava é de um D.Trump, ai sim as coisas tomariam jeito e o brasileiro ia aprender a ser patriota!